Alimentação de 85 milhões de alunos latino-americanos em risco pelo coronavírus (FAO)

Passageiros usam máscaras de proteção no aeroporto internacional de Santiago

Diante da propagação do novo coronavírus na América Latina, vários países da região fecharam escolas e suspenderam programas de alimentação escolar, colocando em risco a saúde de 85 milhões de menores de idade, advertiu nessa terça-feira a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Chile.

A suspensão dos programas de alimentação "será um desafio para garantir a segurança alimentar e o estado nutricional de muitos meninos e meninas, especialmente dos grupos mais vulneráveis da população", indicou a FAO em um comunicado divulgado pelo escritório regional do Chile.

Aproximadamnte 85 milhões de crianças na América Latina e no Caribe se beneficiam desses programas, enquanto, para cerca de 10 milhões, "constituem uma das principais fontes de alimentação segura que recebem por dia".

A FAO pede que os governos implementem medidas para garantir o acesso das famílias aos alimentos, especialmente as mais vulneráveis.

A organização recomendou também medidas como distribuir alimentos às famílias com maior vulnerabilidade, aumentar a alocação econômica dos programas de proteção social, entregar alimentos de emegência nas comunidades vulneráveis e exonerar de impostos os alimentos de primeira necessidade para famílias com filhos em idade escolar.

"Os sistemas de proteção social, por exemplo, têm um papel importante para garantir a alimentação da população mais vulnerável nas próximas semanas", disse Julio Berdegué, representante regional da FAO.

Mais de 1.100 pessoas foram infectadas pelo coronavírus em cerca de 20 países latino-americanos, e oito infectados morreram.