Alimentação durante Natal, Ano-Novo e férias exige equilíbrio e cuidados

·5 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - É cultural. As comemorações de Natal e réveillon pedem comida farta. Nas férias, os cardápios estão todos liberados. É a temporada em que mais se ouvem gírias que representam os excessos, como as famosas "pé na jaca" e "chutar o balde".

O problema é administrar as consequências dos exageros comuns nesta época do ano.

Em 2020, a pandemia de Covid-19 adiou boa parte dos encontros e levou muita gente a evitar longos passeios. Não havia vacina e a situação ainda estava descontrolada.

Neste ano, o avanço da vacinação deverá estimular mais reuniões e comilanças, apesar da ameaça da gripe e da nova variante ômicron.

"Haverá um monte de festas que foram postergadas, e para a gente a comida tem uma questão emocional forte, religiosa, cultural, social. Então, as pessoas não comem só para manter os órgãos funcionando. E não é só a comida. As pessoas também vão beber mais. É uma tendência. Valorize mais as pessoas que estarão com você do que tudo o que estiver na mesa", afirma Andrea Pereira, nutróloga do hospital Albert Einstein.

Primeiro, é importante buscar equilíbrio para evitar ganho de peso. Algumas dicas são importantes:

* antes da ceia, evite ficar o dia todo sem comer, porque a fome pode levar a pegar o que é mais calórico primeiro e a comer em maior quantidade

* se sobrar comida, congele e distribua

* sempre combine verduras, frutas e legumes com os demais alimentos; a presença de fibras diminuirá a absorção de gorduras e trará mais saciedade

* faça atividade física para aumentar o gasto calórico e acelerar o metabolismo

* modere na bebida alcoólica. "Para as mulheres, uma taça, um copo ou uma latinha; para os homens, duas taças, dois copos e duas latinhas. O sexo feminino é mais suscetível aos efeitos cancerígenos do álcool. É por dia e não cumulativo", diz Pereira

* se exagerou na comilança, tente ser mais equilibrado no dia seguinte e prefira as hortaliças e frutas, além de comidas menos calóricas

* prefira comida feita em casa, que é mais saudável

* cuidado com os excessos de sal e açúcar

Segundo a especialista, o ideal é não exagerar tanto e, depois das festas e das férias, manter uma alimentação equilibrada.

"O que fica de tudo o que se come são as consequências, e você precisa correr atrás do prejuízo. E aí é muito comum a pessoa comer muito e fazer uma dieta só de líquidos. Isso é errado. Dependendo do caso, o indivíduo não vai emagrecer, porque o metabolismo dele cai. Perder peso não é fácil", diz a médica.

Outra preocupação está ligada à qualidade dos alimentos ingeridos. Como a época é de muito calor, o ideal é optar por alimentos mais leves e de fácil digestão, que necessitem menos de refrigeração. A maionese é grande vilã, pois estraga com muita rapidez.

Segundo a Covisa (Coordenação de Vigilância em Saúde) da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, o calor acelera a deterioração dos alimentos e favorece a multiplicação de micro-organismos.

Alimentos estragados, mal acondicionados, mal preparados e fora da validade podem causar doenças -parasitoses, infecções intestinais como a salmonela, gastroenterites virais ou bacterianas, principalmente o rotavírus, que está presente nos alimentos e água contaminados, entre outras.

Fique atento aos sintomas: diarreia, enjoo, vômito, dores abdominais e de cabeça, mal-estar e febre. São doenças que podem levar a desidratação e até a infecções graves.

"É aconselhável evitar os alimentos vendidos na praia. Para se alimentar, busque lugares confiáveis, onde você percebe que há uma higiene sanitária boa. Gosto sempre de falar para procurarem locais que tenham gente, pois provavelmente quanto mais clientes, melhor é o local", diz Luana Luz, médica da equipe de gastroenterologia e hepatologia do BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo e sócia da clínica Gastrofig.

"Se possível, leve a raspadinha de casa, feita com gelo em que se conhece a procedência. Troque o petisco da praia pelo lanche feito em casa, não deixe o 'cooler' exposto ao sol e lave a lata de cerveja antes de abrir, pois há risco de leptospirose", orienta Luz.

Cuidados com a alimentação

Prefira comidas leves, de fácil digestão e menos gordurosas

* alimentos naturais

* frutas, legumes e verduras

* cereais e grãos

Evite

* doces e alimentos gordurosos

* conservantes

* alimentos industrializados

* farinha branca

* açúcar branco

* sal

Observe nos quiosques, bares e restaurantes:

* limpeza

* organização

* higiene dos funcionários: proteção nos cabelos, mãos com unhas curtas e limpas e uniformes limpos e conservados

* temperatura dos alimentos perecíveis

* presença de moscas e outras pragas

* gelo armazenado em embalagens ou recipientes fechados e limpos e separado de outros alimentos

Lanches caseiros

* prepare o mais próximo possível do consumo

* evite embutidos, queijo branco, carnes, patês, tortas e bolos recheados e outros alimentos muito perecíveis

* prefira frutas, barras de cereais, leites e sucos acondicionados em embalagens tipo caixinha

* mantenha alimentos em recipientes bem tampados e protegidos do sol; os que necessitam de refrigeração devem ficar em caixas térmicas com gelo

* cuidado com alimentos, as chupetas e mamadeiras de crianças

Bebidas alcoólicas

* não beba coquetéis, batidas e similares previamente preparados para evitar o risco de consumir eventual mistura de álcool não potável contendo metanol em quantidades acima do limite tolerado, pois a ingestão dessas bebidas pode causar sérios danos à saúde, como náuseas, vômitos, cegueira ou a morte

* verifique se as bebidas destiladas estão acondicionadas nas garrafas originais e devidamente identificadas.

Fonte: Covisa (Coordenação de Vigilância em Saúde) da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos