Alimentos e bebidas ficaram mais doces na última década, aponta novo estudo

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade Deakin, na Austrália, e publicado na revista científica Nutrição em Saúde Pública, associado à Universidade de Cambridge, mostrou que os alimentos e as bebidas ficaram mais doces na última década.

Varíola dos macacos: Médico faz alerta sobre contágio após flagrar infectado em metrô de Madri

Taxa de transmissão elevada: Com alta de casos de Varíola dos macacos, Nova York declara estado de emergência

Usando dados de compra e venda de mercados para selecionar os produtos, a equipe analisou a quantidade de açúcar adicionado e adoçantes não nutritivos (que adoçam, mas não possuem calorias, como o estévia e a sacarina) existentes em alimentos e bebidas industrializados de 2007 a 2019.

Os pesquisadores concluíram que o volume de adoçantes não nutritivos usado nos alimentos industrializados aumentou 36% em uma década, enquanto que a quantidade de açúcares adicionados cresceu 9%.

O trabalho mostra que os adoçantes não nutritivos são mais comumente adicionados à confeitaria. Sorvetes e biscoitos doces são as categorias de alimentos que mais apresentaram aumento no uso deste produto. O uso crescente de açúcares adicionados e outros adoçantes na última década significa que, em geral, os alimentos industrializados estão ficando mais doces.

A análise mostrou que a quantidade de açúcar adicionado usado para adoçar bebidas aumentou globalmente. No entanto, isso é amplamente explicado por um aumento de 50% em países de renda média, como China e Índia. O uso diminuiu em países de alta renda, como Austrália e Estados Unidos.

Recomenda-se que os homens consumam menos de nove colheres de chá de açúcar por dia, enquanto as mulheres devem ter menos de seis. No entanto, como o açúcar é adicionado a muitos alimentos e bebidas, mais da metade dos australianos excede as recomendações , consumindo uma média de 14 colheres de chá por dia.

Varíola dos macacos: 'Estamos vendo a ponta do iceberg', diz infectologista sobre primeira morte pela doença no Brasil

A mudança do uso de açúcar adicionado para adoçantes para adoçar bebidas é mais comum em refrigerantes e água gaseificada. A Organização Mundial da Saúde (OMS) está desenvolvendo diretrizes sobre o uso de adoçantes sem açúcar.

Países ricos e pobres

Os pesquisadores observaram uma diferença no uso de açúcar adicionado e adoçante não nutritivo entre países mais ricos e mais pobres. Os fabricantes oferecem produtos "com menos açúcar" e "mais saudáveis" para consumidores de países ricos. Enquanto isso, continuam vendendo alimentos e bebidas com uma elevada quantidade de açúcares adicionados para países pobre e de renda média.

Para reduzir os danos à saúde do alto consumo de açúcar adicionado — como o risco aumentado de à obesidade , diabetes tipo 2 e cárie dentária —, muitos governos agiram para reduzir seu uso e consumo. Limitação de quantidade de açúcar, campanhas educativas, restrições de publicidade e rotulagem estão entre essas medidas. Mas essas ações podem incentivar os fabricantes a substituir parcial ou completamente o açúcar por adoçantes não nutritivos para evitar penalidades ou atender às preferências da população em evolução.

Sem tratamento: ‘Se alguém do grupo vulnerável fica doente, não temos o que oferecer hoje no Brasil’, alerta epidemiologista sobre varíola dos macacos

Os pesquisadores descobriram que regiões com maior número de ações políticas para reduzir o consumo de açúcar tiveram um aumento significativo de adoçantes não nutritivos vendidos em bebidas.

Embora os danos de consumir muito açúcar adicionado sejam bem conhecidos, confiar em adoçantes não nutritivos como solução também traz riscos. Apesar da falta de energia na dieta, análises recentes sugerem que o consumo de adoçantes não nutritivos pode estar relacionado ao diabetes tipo 2 e doenças cardíacas e pode prejudicar o microbioma intestinal .

A ingestão de adoçantes não nutritivos influencia nosso paladar e nos estimula a querer alimentos mais doces. Isso é particularmente preocupante para as crianças, que ainda estão desenvolvendo suas preferências de sabor ao longo da vida", afirmou Cherie Russell, estudante de doutorado na Universidade Deakin e principal autora do estudo, em comunicado.

Além disso, certos adoçantes não nutritivos são considerados contaminantes ambientais porque não são efetivamente removidos das águas residuais.

Os adoçantes não nutritivos são encontrados apenas em alimentos ultraprocessados. Esses alimentos são feitos industrialmente, contêm ingredientes que você não encontraria em uma cozinha doméstica e são projetados para serem "hiperpalatáveis". Comer mais alimentos ultraprocessados ​​está associado a mais doenças cardíacas, diabetes tipo 2, câncer e a um risco maior de morte.

Alimentos que contêm adoçantes podem ser visto como "saudáveis" por não conterem açúcar em sua formulação, enganando o público e potencialmente substituindo alimentos nutritivos e integrais na dieta, alertam os pesquisadores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos