Alimentos inflacionados: veja os 5 produtos que mais encareceram nos últimos 12 meses

Entre os alimentos, a cenoura acumula maior alta nos últimos doze meses: 121,64%.
Entre os alimentos, a cenoura acumula maior alta nos últimos doze meses: 121,64%. Foto: Getty Creative.
  • A inflação acumulada de alimentos nos últimos doze meses chegou a 12,03%;

  • No mês de abril a taxa foi de 1,73%, a maior para o mês desde 1995;

  • Os preços de alimentos são afetados por fatores como as mudanças climáticas e pela alta nos valores dos combustíveis.

Ir ao mercado nos últimos meses se tornou uma aventura nada agradável para a maioria dos brasileiros. Acompanhando uma tendência mundial, os preços de alimentos por aqui são afetados por fatores como as mudanças climáticas e pela alta nos valores dos combustíveis, o que impacta diretamente no frete dos produtos.

De acordo com dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) a inflação acumulada nos últimos doze meses chegou a 12,03%. Já para o mês de abril, a taxa foi de 1,73%, a maior para o mês desde 1995.

O economista André Braz, coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV-Ibre), em entrevista para o portal Uol, afirmou que a alta mais recente dos preços dos alimentos está, em grande parte, relacionada à guerra entre Rússia e Ucrânia. Segundo o especialista, o conflito tem aumentado os preços de commodities importantes para o Brasil, como soja, trigo e milho.

Veja a seguir os 5 produtos que vão para a mesa do consumidor e mais encareceram nos últimos 12 meses, de acordo com o IPCA:

  1. Cenoura

  2. Tomate

  3. Pimentão

  4. Café moído

  5. Melancia

Cenoura

A cenoura é o alimento que acumula maior alta nos últimos doze meses: 121,64%. Para quem pretende incluir a hortaliça na salada ou em algum prato do dia a dia, atualmente precisa pagar quase o triplo do valor que era pago há um ano atrás. Só em março, o valor da cenoura subiu 45,65% em relação a fevereiro.

Em algumas regiões, o quilo chegou a quase R$ 20.

Tomate

O segundo item da alimentação dos brasileiros que mais subiu de preço nos últimos doze meses foi o tomate. Com alta acumulada de 66,36%, o valor dobrou em um ano. Em março, a alta foi de 27%. As causas para o aumento do preço foram as chuvas intensas no início do ano que causaram prejuízos nas plantações e o fim das safras de verão e início da de inverno que ocorreu em abril, época em que a colheita diminui.

Pimentão

No acumulado dos últimos dozes meses o pimentão aumentou 66%. No período entre janeiro e outubro de 2021, a hortaliça puxou a lista das maiores altas de alimentos do ano com aumento que chegou a 82%.

Café moído

O cafezinho nosso de cada dia também tem pesado no bolso. A elevação acumulada do preço registrada em março em relação aos últimos doze meses foi de 62,36%.

Indicadores como a gasolina, energia elétrica, óleo diesel e custos com a embalagem são alguns dos fatores que contribuem para a alta do preço do café.

Melancia

A melancia aumentou cerca de 59,79% nos últimos doze meses, acompanhando uma alta generalizada também nas frutas devido às condições climáticas que prejudicaram os plantios.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos