Aline Mota, da Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos, explica a raiz racista do sistema penal brasileiro

Em live da Ponte Jornalismo, Aline Mota, coordenadora-adjunta da comissão temática da igualdade étnico-racial da Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos, fala sobre as raízes do racismo institucional do Judiciário brasileiro: “Desde as Ordenações Filipinas [que antecedem o Código Criminal em 1830], a gente verifica que as leis penais eram direcionadas para um público bem específico, que é a população negra, à época pessoas escravizadas”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos