Alinne Moraes confessa 'xixi na calça por medo' e diz ser 'meio desestruturada'

·2 minuto de leitura

Prestes a viver mais uma protagonista na faixa das 21h, Alinne Moraes conta que já fez muita terapia em cena. "Em coração de estudante", interpretou uma menina que foi mãe solteira e pode entender a própria minha mãe, que passou por uma situação parecida. Em "Além do tempo", a atriz paulista, de 38 anos, fez uma personagem que também não conhecia o pai.

Agora, em "Um lugar ao sol", prevista para estrear em novembro, fará par com Cauã Reymond, seu ex-namorado, fará Bárbara. "Ela foi criada praticamente pela irmã. Seu pai foi ausente, a mãe sofria muitos distúrbios mentais, era ainda bipolar e morreu quando a personagem era criança. Sempre lhe faltou muita coisa menos dinheiro. Ela herda a depressão e um pouco da bipolaridade da mãe", conta.

A seguir, Alinne, casada com o diretor de cinema Mauro Lima, fala da ausência do pai, da relação com o filho Pedro e confessa que é "desestruturada".

Quando menina, sentia falta de ter um pai próximo?

Sentia falta de conhecer sua mão. É muito louco. Tanto que em nosso primeiro encontro, fiquei um tempão olhando para sua mão. Na novela “Além do tempo”, fiz uma personagem que também não conhecia o pai. Numa cena, ela caía e seu pai vinha com a mão. Chorei tanto. O mais lindo da arte é transformar o que é feio em momentos mágicos. A arte cura. O simbólico nos transforma, preenche lugares.

De que forma seu filho Pedro se beneficia do convívio com o pai?

Amo ver os dois juntos. Vários espaços vazios dentro de mim acabaram sendo preenchidos por essa relação. Mauro traz uma calma para nosso filho, um pilar forte, uma estrutura. Eu sou forte, mas sou meio desestruturada em alguns aspectos.

Em quais aspectos?

Sou muito insegura. Quando me convidam para ir a um programa de TV, faço até xixi na calça por medo. Mas quero que as pessoas olhem para mim. Deve ser algo da infância. Queria ter sido essa criança amada por um pai. Às vezes me pego chorando e digo: “Olha aqui eu chorando outra vez como se fosse uma menininha”.

Você e Mauro são um casal noturno. Gostam de estudar roteiro na madrugada e sair para balada. Como isso funciona na maternidade?

Entendi que existem dois tipos de mães: as que deixam os filhos ditarem qual é a da maternidade, e as que mostram o caminho para o filho. Decidi, mesmo sendo exigente, mostrar a vida como ela é para meu filho. Quando ele chegou em casa e quis dormir às 19h, não deixei. Ele chorou, mas só foi para cama às 22h. Somos uma família noturna.

Mauro é 15 anos mais velho que você, isso te grilou em algum momento?

Zero. Só temos conquistas! O amor liberta. O nosso é maduro, é sadio, me cura de todos os males. É agregador. Eu me vejo velhinha ao seu lado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos