Alok explica mistério de 'símbolos alienígenas' e anuncia nova turnê

Alok está por trás de "sinais extraterrestres" que movimentaram as redes sociais nos últimos dias? Na última quinta-feira, dia 10, o artista publicou imagens de quatro sinais em plantações e contou aos seus seguidores que era o responsável pelos símbolos que eram, na verdade, ações de marketing sobre seu novo projeto: a turnê "Alok Infinite Experience".

O músico explicou que, apesar da ação, não tem ligação com o relato de possíveis objetos voadores não identificados em Porto Alegre, muito menos com o agroglifo (sinal em plantação) que apareceu em Santa Catarina em outubro. As imagens publicadas por Alok foram feitas por sua equipe com auxílio de programas de edição de imagem.

"Explicando: esses sinais são meus. O sinal na plantação de Santa Catarina, que aconteceu uma vez, não. As luzes em Porto Alegre também não são ações minhas, elas aconteceram de maneira paralela em uma feliz coincidência" escreveu Alok na postagem.

— Em iniciativas anteriores eu sempre abordei as possibilidade da existência de conexões com o universo, como o especial de final de ano "Alive", que fiz em dezembro de 2020 onde exploramos o mesmo assunto com os meteoros, monolitos etc, e coincidentemente na mesma semana rolou uma chuva de meteoros misturando ficção com realidade. E eu acho isso muito interessante, porque as pessoas interpretam cada um à sua maneira, mexendo um pouco com a curiosidade e a imaginação coletiva. A intenção é criar uma conexão com o público e fazer um convite para entenderem como essa narrativa conduz ao início da minha nova turnê — diz Alok.

O projeto novo é o primeiro autoral do DJ, que alia tecnologia e suas músicas para criar experiências sensoriais e visuais. A primeira edição acontecerá no dia 23 de dezembro, na Arca, em São Paulo. A abertura das vendas acontecerá no dia 14 de novembro, ao meio-dia.

— Esse reúne tudo o que vivi na minha trajetória artística para oferecer ao público novas experiências sensoriais e visuais. É unir a expectativa, satisfação, tecnologia e emoção do início ao fim. Nós humanos, somos únicos, raros e devemos comemorar cada segundo o privilégio de simplesmente existirmos — conclui o músico.