Alpe D’Huez: conheça a cidade que tem vocação para o turismo o ano inteiro

Talita Duvanel, de Alpe D'Huez
Vista de Alpe D'Huez

O branco dá lugar ao verde, que dá lugar ao branco — e assim se alterna a paisagem de Alpe D’Huez. A pequenina cidade francesa, a cerca de 170 quilômetros de Lyon e a 215 de Genebra, é daquelas que têm apelo turístico o ano inteiro. No inverno, as montanhas (a Pic Blanc chega a 3,3 mil metros de altitude e tem vista para um quinto do território francês) viram pistas para todos os tipos de esquiadores, dos estreantes na neve aos íntimos do esporte desde criancinha. No verão, os mesmos cenários dos esportes no gelo (o snowboard também é sensação por lá) dão lugar a exuberantes trilhas para se percorrer a pé ou de bicicleta. Ou seja, faça frio ou faça calor, há sempre uma natureza pulsante à espera do visitante.

Eleita a melhor estação de esqui da Europa no ano passado pela Eden Network, relevante plataforma de turismo sustentável, a cidade vive a expectativa de receber ainda mais visitantes com a inauguração, no último dezembro, de um novo resort Club Med, que funcionará durante todo o ano. A rede agora oferece 441 quartos, num esquema all inclusive para facilitar a vida dos esportistas de inverno (aspirantes, fiquem tranquilos, pois um terço das pistas da cidade são para quem está começando), já que os equipamentos e as aulas, até mesmo as para crianças, estão no pacote. Sem falar na comida e bebida, que também estão incluídas e têm clássicos da montanha como a raclette (queijo derretido com batata) e o churrasco pós-esqui. Quem prefere um esquema mais low profile vai se identificar com as pequenas pousadas e os chalés disponíveis por toda a cidade.

A 1km do hotel está o centro da cidade, cheio de lojinhas de chocolates (guarde lugar na mala para eles), charmosos cafés (tudo que você vai querer é uma bebida quentinha) e bares com DJ. Próximo também está a Sarenne, a maior pista de esqui do mundo, com 16km. Se faltar expertise no esporte, mas sobrar coragem, dá para descer de parapente e ficar igualmente deslumbrado.

Além de adrenalina, outra vocação da cidade, no inverno ou no verão, são as baladas. Alpe D’Huez tem uma filial do La Folie Douce, famosa rede de boates presente em algumas cidades de neve na França. Por ali, seus DJ’s são instalados a 2,3 mil metros de altitude para uma festa diária durante a tarde. Espere, lá pelas 17h, topar com os baladeiros bem animadinhos (alguns até de camiseta!) descendo a montanha de Marmottes depois dos drinques.

O festival de música Tomorrowland também faz uma tradicional edição na região, geralmente na despedida do inverno, quando a vegetação começa a mudar para dar lugar a trilhas que agradam aos mais diversos perfis de aventureiros e pistas de bike cobiçadas por atletas do mundo inteiro.

Bicicleta, aliás, é um dos pontos fortes do lugar: o Tour de France, a mais famosa competição de ciclismo do mundo, geralmente passa por lá movimentando ainda mais o vilarejo. Apesar de ter ficado de fora do percurso oficial da prova em 2020, a expectativa é de que, no verão, a cidade fique lotada de amantes da natureza e do esporte.

*A jornalista viajou a convite do Club Med.