Alta da Covid-19: por quanto tempo preciso ficar isolado se estiver infectado?

Com a nova onda da Covid-19 após alguns meses em que a doença estava em baixa, muitas pessoas podem ser pegas de surpresa e não saber quais são os próximos passos ao se depararem com um resultado positivo.

Novas vacinas para a Covid-19: Especialistas criticam demora na incorporação dos imunizantes no Brasil, já aplicados em países como Chile e EUA

Ondas em outros países: Quanto tempo dura o aumento da Covid-19 provocada pela nova variante em circulação?

Porém, embora a gravidade do quadro tenha diminuído entre a população vacinada com ao menos três doses, o isolamento para infectados ainda é orientado pelas autoridades sanitárias para evitar a circulação do vírus e a contaminação de pessoas de maior risco, como idosos e imunossuprimidos. Mas afinal, por quanto tempo é necessário ficar em quarentena?

Desde janeiro, as diretrizes válidas do Ministério da Saúde estipulam um período oficial de 10 dias, mas que pode ser encurtado para até 5 dias a depender de fatores como sintomas e resultados negativos durante o isolamento.

Exame de Lula: Entenda o que é a leucoplasia na laringe apontada pelos médicos no presidente eleito

Entenda os diferentes períodos de isolamento

De acordo com o Guia de Vigilância Epidemiológico que define as orientações relativas à Covid-19, o paciente deve iniciar o isolamento imediatamente a partir de um resultado positivo para a doença ou da identificação de sintomas gripais (coriza, tosse, dor no corpo). O diagnóstico pode ser tanto de um teste de antígeno, disponível em farmácias e postos de saúde, ou de RT-PCR, ofertado nos laboratórios.

No 10º dia, o paciente está liberado, sem a necessidade de um teste negativo. Porém, ele precisa estar há pelo menos 24 horas sem febre, sem o uso de medicamentos antitérmicos e sem sintomas respiratórios. Se algum desses fatores continuar, a orientação é que o indivíduo aguarde até permanecer um dia completo sem registrá-los para deixar o isolamento.

No entanto, se essa remissão dos sintomas respiratórios ocorrer já no 6ª dia de isolamento, fazendo com que ao chegar no 7º dia o paciente já esteja há 24 horas sem sintomas, o indivíduo pode ser liberado sem a necessidade de um teste com resultado negativo. Se na data o paciente não tiver registrado as 24 horas sem os sinais, deve continuar até o 10º dia.

Regulação do intestino e saciedade: Conheça os benefícios da aveia, um superalimento que não contém glúten

Há ainda a possibilidade dessa liberação acontecer mais cedo, no 5º dia, se o paciente já estiver sem sintomas há pelo menos 24 horas – sem febre, sem o uso de medicamentos antitérmicos e sem problemas respiratórios. Nesse caso, ele precisa obrigatoriamente realizar um segundo teste para a doença e, apenas se esse diagnóstico indicar um resultado negativo para a Covid-19, ele poderá deixar o isolamento. Em caso positivo, mesmo sem sintomas, deve continuar até completar 10 dias.

Em todas as situações em que o infectado for liberado antes do 10º dia de isolamento, o Ministério da Saúde orienta que sejam seguidas algumas medidas adicionais até completar o período. São elas:

Usar máscara bem ajustada ao rosto, preferencialmente cirúrgica ou PFF2/N95, em casa ou em público.

Evitar contato com pessoas imunocomprometidas ou que possuam fatores de risco para agravamento da Covid-19, como também locais com aglomerações de pessoas, como transporte público, ou onde não seja possível manter o distanciamento físico.

Não frequentar locais onde não possa usar máscara durante todo o tempo, como restaurantes e bares; e evitar comer próximo a outras pessoas, tanto em casa como no trabalho.

Só viajar se fizer um teste e o resultado for não detectado/reagente. Caso não seja possível realizar o teste, orienta-se adiar a viagem por pelo menos 10 dias a contar do início dos sintomas.