"Alucinado e perturbado": ABI pede renúncia de Bolsonaro após surto com a imprensa

·2 minuto de leitura
Brazil's President Jair Bolsonaro speaks during a ceremony to launch a Brazilian tourism program, at the Planalto presidential palace, in Brasilia, Brazil, Thursday, June 10, 2021. (AP Photo/Eraldo Peres)
No documento, a associação chamou o presidente da República de "descontrolado, pertubado, louco". Segundo a entidade, qualquer um destas expressões "poderia classificar o comportamento" de Bolsonaro (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)
  • A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) se posicionou, na noite desta segunda-feira (21), a favor de uma renúncia do presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

  • Após os ataques do presidente contra a imprensa, realizados na manhã do mesmo dia, a entidade alertou que "é preciso" estar "alerta e mobilizado" na "luta pela democracia"

  • Outra solução "mais rápido" do que o impeachment seria a renúncia voluntária de Bolsonaro, de acordo com o presidente da associação

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) se posicionou, na noite desta segunda-feira (21), a favor de uma renúncia do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Após os ataques do presidente contra a imprensa, realizados na manhã do mesmo dia, a entidade alertou que "é preciso" estar "alerta e mobilizado" na "luta pela democracia".

“É preciso que os democratas estejam alertas e mobilizados. Diante desse quadro, com a autoridade de seus 113 anos de luta pela democracia, a ABI reitera sua posição a favor do impeachment do presidente. E reafirma que, decididamente, ele não tem condições de governar o Brasil“, diz trecho da nota assinada pelo presidente da ABI, Paulo Jeronimo.

Leia também:

No documento, a associação chamou o presidente da República de "descontrolado, pertubado, louco". Segundo a entidade, qualquer um destas expressões "poderia classificar o comportamento" de Bolsonaro.

“Descontrolado, perturbado, louco, exaltado, irritadiço, irascível, amalucado, alucinado, desvairado, enlouquecido, tresloucado", diz texto.

"Qualquer uma destas expressões poderia ser usada para classificar o comportamento do presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira, insultando jornalistas da TV Globo e da CNN”, completa.

Segundo Jeronimo, Bolsonaro nunca “apreciou uma imprensa livre e crítica”. Ele considera que o presidente tem "subido o tom" de forma cada vez mais perigosa. 

Renúncia de Bolsonaro

Por este motivo, segundo ele, outra solução seria a renúncia voluntária de Bolsonaro. De acordo com o presidente da associação, seria "mais rápido" do que o impeachment.

Ainda de acordo com o texto, as manifestações contra o governo, realizadas no último sábado (19) por todo o Brasil, assustaram Bolsonaro. 

Como resposta, o chefe do Executivo tenta desacreditar o sistema eleitoral e “prepara uma saída autoritária” para um possível derrota nas urnas em 2022.

Bolsonaro manda repórter calar a boca

Na manhã de segunda-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se irritou e mandou uma repórter da TV Vanguarda, afiliada da TV Globo, calar a boca ao ser questionado sobre não utilizar máscara durante um evento em Guaratinguetá, no interior de São Paulo.

Bolsonaro esteve na cidade para acompanhar a formatura da Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR). Ao chegar no local, o presidente causou aglomeração e, conforme relatado pela repórter da emissora, não utilizou o equipamento obrigatório para frear a transmissão da Covid-19.

“Olha, eu chego como eu quiser, onde eu quiser, eu cuido da minha vida. Se você não quiser usar máscara, não use. Agora, tudo o que eu falei sobre Covid, infelizmente, para vocês, deu certo”, disse o chefe do Executivo federal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos