Aluguel residencial sobe 1,58% em junho; veja as cidades mais caras

Alta supera a inflação medida pelo IPCA no período (Getty Images)
Alta supera a inflação medida pelo IPCA no período

(Getty Images)

  • Aluguel: Preço residencial sobe 1,58% em junho;

  • Preço médio do metro quadrado fica em R$ 34,5;

  • Barueri é a cidade mais cara.

O preço do aluguel residencial ficou 1,58% mais caro em junho, segundo o Índice FipeZap. A alta supera a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) no mesmo período (0,67%), ainda que represente um recuo em relação a maio, mês em que o custo da locação subiu 1,70%.

Das 25 cidades monitoradas, somente três - Joinville, Pelotas e Brasília – registraram um preço mais baixo no valor do aluguel residencial. Em contrapartida, as maiores altas foram observadas em Florianópolis, Recife e Fortaleza – chegando a 2,95% no caso da primeira.

Nos últimos 12 meses, o Índice acumulou alta de 12,86%, variação maior que a da inflação acumulada pelo IPCA, de 11,89%. A cidade com maior variação no último ano foi Florianópolis, com 27,53%.

Vale destacar que os valores são referentes a anúncios de novos aluguéis, não entrando na conta aluguéis já vigentes, cujos reajustes variam de acordo com os contratos.

Cidades mais caras

Em junho, o preço médio por metro quadrado, no Brasil, foi de R$ 34,5. O maior valor médio foi registrado em Barueri (R$ 46 por m²). Veja abaixo a lista das cidades mais caras, segundo o Índice FipeZap.

  1. Barueri (SP) - R$ 45,97

  2. São Paulo (SP) - R$ 42,84

  3. Recife (PE) - R$ 39,64

  4. Santos (SP) - R$ 36,64

  5. Rio de Janeiro (RJ) - R$ 35,30

  6. Florianópolis (SC) - R$ 35,25

  7. Brasília (DF) - R$ 35,05

  8. Média ponderada (25 cidades) - R$ 34,35

  9. Praia Grande (SP) - R$ 29,73

  10. São José dos Campos (SP) - R$ 29,65

  11. Salvador (BA) - R$ 29,36

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos