Aluna acusa diretor de “passar pano” para professor assediador durante formatura no DF

·2 min de leitura
Aluna pegou o microfone e fez a denúncia - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Aluna pegou o microfone e fez a denúncia - Foto: Reprodução/Redes Sociais
  • Aluna aproveitou a formatura para denunciar o diretor

  • Ele teria "passado pano" para assédios cometidos por um professor

  • Outros perfis nas redes sociais disseram que sofreram assédio no mesmo colégio

Uma aluna aproveitou a formatura de sua escola, no Distrito Federal, para acusar o diretor de “passar pano” para um professor que teria assediado alunas. O episódio foi filmado e repercutiu nas redes sociais.

A denúncia aconteceu durante a cerimônia do CED 15, de Ceilândia, e foi postada pela própria protagonista. As imagens mostram a aluna recusando-se a tirar foto com o diretor, identificado apenas como Anderson, após receber seu diploma.

“Era para ser só uma formatura, mas começaram a ‘babar ovo’ do diretor e eu não aguentei. Primeiro, me recusei a tirar foto com ele. E resolvi falar, para todo mundo saber o que esse ‘ótimo diretor faz’”, ela escreveu na legenda do vídeo.

A aluna, então, toma para si um microfone e diz “discordar do que acabou de ser dito” sobre o diretor, momento no qual seu áudio é cortado. Mesmo assim, ela insiste.

“Desligaram meu microfone, mas eu vou falar. Falaram um monte de coisa do Anderson, que é bom diretor. Mas ele passa pano para assediadores na escola”, grita, sob aplausos de seus colegas.

A denúncia gerou bastante repercussão nas redes sociais, com inúmeros perfis de mulheres revelando que também sofreram assédio naquela mesma escola.

Posicionamento da direção

De acordo com o jornal Diário da Manhã, a aluna, que não teve a identidade revelada, desabafou após uma amiga ter sido assediada por um professor. Em nota reproduzida pelo veículo, a escola confirmou que uma discente procurou a coordenação para denunciar o profissional.

“Ele vem tendo comportamento estranho comigo e sempre falando coisas com duplo sentido”, teria relatado a vítima antes de “ir embora”, como explicou a instituição.

A nota diz ainda que a coordenação foi procurada por outras alunas cobrando uma ação contra o professor, mas explicou que a demissão de um profissional “não é tão simples assim” e que seriam necessários “mais dados ou ocorrências”.

O colégio relata ter conversado com o tal docente, que negou ter praticado assédio, mas “confirmou o comportamento inadequado”. “Ele foi advertido e comprometeu-se a prestar esclarecimentos à família, ciente de que isso não impediria providências a serem tomadas, como ouvidoria, sindicância, processo administrativo e afins, caso fosse interesse da família.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos