Aluno é alvo de operação após instalar bomba em universidade para tentar impedir prova no DF

·1 minuto de leitura

RIO — Um aluno instalou uma bomba no banheiro de uma universidade particular do Distrito Federal para tentar impedir a realização de uma prova. O artefato foi encontrado na instituição no dia 23 de abril e o ato culminou na realização de uma ação da Polícia Civil nesta quarta-feira.

Agentes da Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri) cumpriram dois mandados de busca e apreensão contra o suspeito e encontraram com ele materiais de metalurgia, comumente usados na fabricação de artefatos explosivos artesanais. O celular do aluno também foi apreendido para ser periciado.

De acordo com a polícia, o suspeito cursa fisioterapia. Além de instalar o explosivo, ele mesmo avisou a funcionários que o dispositivo estava no banheiro, para criar um alerta e suspender a realização da avaliação naquele dia.

Apesar do tumulto causado na universidade, a avaliação foi realizada naquele dia. Em nota,a Universidade Paulista (Unip) informou na ocasião que alunos e professores foram transferidos para outro prédio, onde foi possível dar continuidade a tarefa programada.

A perícia confirmou que o artefato tinha dispositivo de iniciação e material explosivo, sendo considerado eficiente e apto para produzir uma explosão e seus efeitos associados. Os peritos criminais da PCDF entenderam que "o material trazia risco à integridade física e ao patrimônio, pois a explosão produziria fragmentação de objetos próximos, projeção de material com potencial lesivo e ondas de pressão, calor e de choque, entre outros efeitos danosos. Dessa forma, a explosão teria efeitos análogos aos da dinamite".

Os investigadores informaram que o suspeito prestou declarações à Corpatri na condição de investigado e que prosseguem coma apuração do caso.