Aluno negro de colégio tradicional de SP denuncia postagens nazistas

Aluno foi adicionado no grupo
Aluno foi adicionado no grupo "Fundação Antipetismo", na noite do domingo dia 30, assim que Lula ganhou a eleição (Foto: Getty Images)

Antônio, de 15 anos, estudante do colégio Visconde de Porto Seguro, um dos mais tradicionais de São Paulo, denunciou colegas insatisfeitos com o resultado da eleição, que divulgaram mensagens racistas e de apologia ao nazismo em um grupo de mensagens instantâneas. O caso foi revelado pelo portal Ponte Jornalismo.

O adolescente foi adicionado no grupo "Fundação Antipetismo", na noite do domingo dia 30, assim que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) saiu vitorioso da eleição presidencial.

“Eu comecei a ver as mensagens do grupo e eu achei mensagens nazistas, racistas e machistas. Todo tipo de preconceito tinha lá”, denunciou Antônio.

Antonio e os outros adolescentes do grupo estudam na unidade de Valinhos, a 90 quilômetros da capital paulista. A mensalidade custa até R$ 4 mil.

A instituição foi fundada por imigrantes alemães no final do século XIX, e tem currículo internacional, com aulas em português, inglês, alemão e espanhol.

Ainda de acordo com o estudante, alguém no grupo se apresenta como "neonazistas do Porto", com um emoji apaixonado. O adolescente disse ter se sentido atingido pelas mensagens que faziam menção ao nazismo.

“Por eu ser preto, ao ler mensagens assim, eu me sinto atingido diretamente. Quando eles fazem menções ao nazismo, isso também ataca a minha raça, porque o que aconteceu no nazismo foi um ataque não só judeus, mas a diversos grupos sociais, tanto negros quanto mulheres”, relatou Antônio.

Segundo o programa Fantástico, da TV Globo, o caso foi levado a direção da escola, e no mesmo dia os colegas de Antônio organizaram um ato dentro da escola xingando Lula.

Diante das manifestações, Antônio também protestou no refeitório da escola contra as atitudes dos colegas.

“Só do fato de eu ser um dos poucos negros em uma escola repleta de brancos, eu precisava criar essa consciência para poder viver nesse ambiente. Um negro no meio de muitos brancos, um negro com dinheiro”, afirmou o estudante.

Na sexta-feira passada (4), o colégio Visconde de Porto Seguro expulsou oito alunos responsáveis pela criação do grupo.

A instituição afirma combater todas as intolerâncias, e que o protesto contra Lula foi dissipado em três minutos. Já o advogado que representa os estudantes expulsos contesta a decisão da escola.

"Eu aceito as desculpas. Eu não sinto ódio nem raiva de ninguém. Eu luto pela justiça, não estou lutando pelo ódio. Eu luto pelo amor", disse.