Alunos apoiam professores na maior greve da categoria no RS

PAULA SPERB

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - Os professores gaúchos, que deflagraram a maior greve da educação no Rio Grande do Sul dos últimos tempos, ganharam apoio de alunos e até de comerciantes. Estudantes, principalmente os adolescentes do ensino médio, estão aderindo aos protestos.

Livrarias, barbearias e até padarias estão pendurando cartazes de incentivo aos educadores. São 1.533 escolas em greve, de um total de 2.500. O governo diverge do número e diz que são 1.026. Mesmo com a diferença dos levantamentos, é a maior mobilização já registrada.

"Todo apoio à greve dos professores. Nós acreditamos na educação e na leitura para mudar esse país" era o conteúdo escrito com giz em um cavalete em frente à livraria Taverna, no centro histórico da capital. "Defenda a escola pública", afirmava um cartaz de uma padaria.

Em São Leopoldo, na região metropolitana, um cartaz na vitrine natalina de uma loja avisava que "este estabelecimento comercial apoia os professores do Rio Grande do Sul". Barbearias e lanchonetes também fixaram o mesmo aviso.

O governador Eduardo Leite (PSDB) planeja mudanças na carreira que permitiriam que os professores ganhassem o piso nacional, mas deixariam de levar para a aposentadoria as diferenças salariais por liderar turmas ou comandar escolas, por exemplo.

O projeto precisa ser aprovado pelos deputados, mas a própria base de Leite, incluindo parlamentares do PSL e do MDB, anunciaram que não aprovarão o texto desta forma.

Em Porto Alegre, diversas manifestações ocorreram na manhã desta quinta-feira (28). Na Restinga, bairro da zona sul, pais acompanharam os filhos menores em uma caminhada com os professores de diversas escolas da região. Eles carregavam cartazes com os dizeres "comunidade e escolas unidas" e "o país que fecha escolas abre cadeias".

Durante o ato, um gari que trabalhava nas proximidades usou o microfone para protestar na Restinga, bairro na zona sul da capital gaúcha. "O governo está colocando toda a culpa [da crise] nos professores. O salário é miserável e ainda dizem que são os professores que deixam o estado nessa precariedade", disse. Ele foi aplaudido.  

Em outra ponta da cidade, no bairro Petrópolis, cerca de 50 alunos do colégio Florinda Tubino Sampaio levaram faixas, apitos e instrumentos para protestar na rua.

"Como teremos conteúdo para o Enem sem a escola pública de qualidade se não podemos pagar pelo ensino? Apoiamos nossos professores porque eles se dedicam, estudam e mal recebem. É revoltante, a gente tem que fazer alguma coisa", disse à reportagem a Cauã Moraes Freitas, 15, do primeiro ano.

"Percebemos que a situação dos professores está cada vez pior, chegam exaustos, desanimados. A gente está vendo que eles não têm condição de trabalho", disse Valkíria Valle, 17, do terceiro ano.

"Não é apenas por nós, é por respeito a eles. O que está acontecendo não está certo", disse Lucas Augusto Hendler Soares, 17 anos, do segundo ano.

Alunos do interior do estado estão publicando as fotos de protesto em suas redes sociais. Em Boa Vista das Missões, no noroeste gaúcho, estudantes levaram cartazes para uma rodovia. Em Tiradentes do Sul, na fronteira com a Argentina, até crianças pequenas foram levadas pelos pais para prestar solidariedade aos educadores no "Acampamento da Resistência".

Em Marau, a 200 km da capital, estudantes protestaram à noite usando as lanternas dos celulares. "Aluno, na rua, governo a culpa é tua", entoavam.

Em Santa Cruz do Sul, a 120 km, a comunidade escolar fez uma passeata. "Tira a tesoura da mão e valoriza a educação", gritavam.

Questionada pela reportagem sobre quais são as principais medidas para melhoria da educação a serem implantadas, a Secretaria da Educação (Seduc) disse que o estado vive um "momento de mudança".

A pasta, comandada por Faisal Karam, citou que órgão realizou a "seleção de profissionais técnicos" para as coordenadorias regionais, o programa "Jovem RS Conectado no Futuro", que valoriza os "projetos feitos com os professores" e o "aplicativo Escola RS", que mostra desempenho e frequência das escolas.