Alunos, ex-alunos e professores da FGV pedem impeachment de Bolsonaro em manifesto

CAMILA MATTOSO
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Alunos, ex-alunos e professores da FGV criticam o governo de Jair Bolsonaro e, em manifesto, pedem seu impeachment. A iniciativa se soma à de outros grupos de estudantes de instituições de ensino de São Paulo, como as faculdades de Medicina e de Direito e a Escola Politécnica da USP (Universidade de São Paulo). Na carta, os alunos e ex-alunos da FGV manifestam a “urgente necessidade de instauração do processo de impeachment do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro” e criticam o governo por “omissão e negligência”. O texto é assinado por mais de 400 pessoas ligadas à instituição. Entre os nomes estão a deputada estadual Marina Helou (Rede-SP), o vereador Eduardo Suplicy (PT-SP), o ex-ministro Luiz Carlos Bresser-Pereira, o professor e filósofo Silvio Almeida e o professor Fernando Limongi. “Jair Bolsonaro governou apenas para alguns, colocando-se de costas para a maioria do povo brasileiro. Suas ações irresponsáveis foram combustíveis que retiraram a razão do debate público e minaram o diálogo como ferramenta política, substituindo-o pela perseguição à ciência e à opinião pública e, pela mentira como arma política propagada em redes sociais”, afirma o manifesto. O manifesto, que fala ainda sobre o “desejo de uma nação unida pela superação das desigualdades, tolerante para a convivência entre visões políticas distintas”, finaliza cobrando que o Congresso cumpra seu dever “de proteger nossa Constituição, a própria República, suas instituições e valores, bem como o direito à vida de cada um das brasileiras e brasileiros”. Outros três abaixo-assinados pedindo o impeachment de Bolsonaro foram divulgados nos últimos dias. Um deles foi organizado por ex-alunos da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da USP, que, reuniu mais de 1.450 assinaturas. Outro foi elaborado por ​ex-alunos da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O documento teve mais de 300 assinaturas. O terceiro é de um grupo de cerca de 700 ex-alunos da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Neste sábado (23) e no domingo, manifestantes pediram o impeachment de Bolsonaro em carreatas em capitais pelo país. O primeiro ato foi impulsionado por partidos de esquerda. Também houve protesto em favor do impeachment de Bolsonaro em outras cidades pelo país, como Rio de Janeiro, São Paulo e Recife.