Alunos inconformados com suspensão soltam rojões dentro de escola estadual em SP

Alunos soltam rojões para cima de professor em escola de SP - Foto: Reprodução
Alunos soltam rojões para cima de professor em escola de SP - Foto: Reprodução

Na noite da última segunda-feira (29), dois alunos da Escola Estadual Mariano de Oliveira, que fica no bairro de Pirituba, na Zona Norte de São Paulo, jogaram rojões dentro da instituição, após serem suspensos.

De acordo com informações da Polícia Militar, os jovens, de 18 e 19 anos, haviam sido suspensos após chegarem atrasados para aula, inconformados com a suspensão, retornaram à escola portando os artefatos.

Os estudantes pularam o muro da escola antes de seguir em direção ao corredor das salas de aula, onde lançaram dois rojões que atingiram uma lâmpada e um dos professores e fugindo em seguida do local.

Apesar da fuga, a PM informou que os dois alunos foram encontrados por uma viatura da polícia próximo ao Mercado Municipal de Pirituba.

Os jovens foram levados para a escola para ser feito o reconhecimento, e na instituição eles contaram a mesma versão dada pela direção, e depois, foram levados para a delegacia.

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP) em nota, afirmou que repudia todo e qualquer ato de violência ou incitação à violência, dentro ou fora das escolas. Disse ainda que os alunos que aparecem no vídeo soltando os rojões são maiores de idade e já foram identificados.

"A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo se solidariza com o professor e informa que ele não sofreu ferimentos", diz a nota. "Um boletim de ocorrência foi registrado e o caso será inserido no Placon, a plataforma do Conviva-SP que é usada para registrar todas as ocorrências escolares", diz o documento.

Ainda de acordo com a secretaria, o caso está sendo acompanhado pela Diretoria Regional de Ensino e a direção da E.E. Mariano de Oliveira vai se reunir com o Conselho Escolar para definir as punições que serão aplicadas aos alunos, respeitando o direito à educação.

A Secretaria de Segurança Pública disse, também em nota, que dois jovens, de 18 e 19 anos, são investigados e que o caso foi registrado como ameaça, perturbação do trabalho ou do sossego alheios e perigo para a vida ou saúde de outrem pelo 33º Distrito Policial – Pirituba.