Alzheimer: Cervejas podem contribuir com a prevenção da doença, diz novo estudo

Uma das bebidas mais populares e antigas do mundo, a cerveja, pode causar diversos problemas se usada em excesso, entretanto, um novo estudo, publicado recentemente na revista ACS Chemical Neuroscience, mostra que produtos químicos extraídos das flores de lúpulo, responsáveis pelo amargor e aroma à cerveja, podem inibir a aglomeração de proteínas beta amiloides, que está associada à doença de Alzheimer.

Leucoplasia na laringe: entenda o resultado dos exames de Lula

Uso de máscaras e distanciamento social: Sociedade Brasileira de Infectologia divulga orientações para a alta de casos de Covid

Os pesquisadores criaram e caracterizaram extratos de quatro variedades comuns de lúpulo usando um método semelhante ao usado no processo de fabricação de cerveja. Em testes, eles descobriram que os extratos tinham propriedades antioxidantes e poderiam impedir que as proteínas beta amiloides se aglutinassem nas células nervosas humanas. O extrato de maior sucesso foi do lúpulo Tettnang, encontrado em muitos tipos de cervejas.

Quando esse extrato foi separado em frações, aquele contendo um alto nível de polifenóis mostrou a atividade antibiótica e inibidora de agregação mais potente. Também promoveu processos que permitem que o corpo elimine proteínas neurotóxicas mal dobradas.

Por fim, a equipe testou o extrato de Tettnang em um modelo de verme microscópico e descobriu que o protegia de paralisias relacionadas ao Alzheimer.

Veja vídeo: Irmãs entram para o livro dos recordes como as gêmeas idênticas mais diferentes do mundo

Os pesquisadores dizem que, embora este trabalho não justifique beber cervejas mais amargas, ele mostra que os compostos de lúpulo podem servir de base para nutracêuticos, ou seja, alimentos que têm algum tipo de função medicinal ou nutricional, que combatem o desenvolvimento da doença de Alzheimer.

Estratégias preventivas e terapêuticas contra a doença estão sendo buscadas por equipes médicas do mundo inteiro no intuito de diminuir os danos ao sistema nervoso entre o início dos processos bioquímicos e o início dos sintomas, que podem levar anos e, consequentemente, ser irreversível para muitos pacientes.

Incidência

De acordo com a OMS, estima-se que existam 35,6 milhões de pessoas com Doença de Alzheimer (DA) no mundo, sendo que o número tende a dobrar até o ano de 2030 e triplicar até 2050. No Brasil, a possibilidade é de que existam cerca de 1,2 milhões de pessoas com Alzheimer.

O Brasil no divã: psicanalistas decifram um país dividido e em busca de tratamento

A condição é a causa mais comum de demência, responsável por 70% de todos os casos no mundo.