Alzheimer: cutucar o nariz pode aumentar o risco da doença; entenda

Um novo estudo publicado ne revista Scientific Reports revelou uma ligação tênue, mas plausível, entre cutucar o nariz e o aumento do risco de demências. De acordo com pesquisadores da Universidade Griffith, na Austrália, quando o ato danifica os tecidos internos do nariz, bactérias prejudiciais à saúde têm um caminho mais livre para o cérebro. O órgão então responde à presença desse invasor de maneiras que se assemelham à doença de Alzheimer.

Exercícios: Estudo revela o melhor horário para quem quer emagrecer

Câncer de pâncreas: doença pode ser detectada até três anos antes dos diagnósticos atuais, diz Oxford

A equipe fez testes em camundongos, com uma bactéria chamada Chlamydia pneumoniae, que pode causar pneumonia em humanos. O micro-organismo também foi encontrado na maioria dos cérebros humanos afetados pela demência de início tardio.

Foi demonstrado a bactéria pode viajar até o nervo olfativo desses animais, que une a cavidade nasal ao cérebro. Os cientistas ficaram surpresos com a velocidade com que a C. pneumoniae se apoderou do sistema nervoso central dos camundongos, com a infecção acontecendo dentro de 24 a 72 horas. Quando havia danos no tecido que reveste o interior do nariz, as infecções nervosas pioravam.

Em resposta à infecção, houve um aumento do depósito de proteína beta-amiloide no cérebro.

‘Molécula do prazer’: ocitocina é responsável pela gravidade da dependência de drogas, diz estudo

“Somos os primeiros a mostrar que a Chlamydia pneumoniae pode subir diretamente pelo nariz e entrar no cérebro, onde pode desencadear patologias que se parecem com a doença de Alzheimer. Vimos isso acontecer em um modelo de camundongo, e a evidência é potencialmente assustadora para humanos também”, diz o neurocientista James St John, da Universidade Griffith, na Austrália.

O acúmulo de placas de beta-amiloide também é considerado uma das principais características do Alzheimer. As causas da doença ainda permanecem desconhecidas e, de acordo com os pesquisadores, a presença de vírus e bactérias pode estar por trás do desenvolvimento da doença.

Evitar frutas cítricas e escovar a língua: as dicas de especialistas para combater o mau hálito

Essa é uma hipótese que ainda precisa ser confirmada em testes em humanos, o que os pesquisadores pretendem fazer em breve.

"Precisamos fazer este estudo em humanos e confirmar se o mesmo caminho funciona da mesma maneira", ressalta St John.

Até lá, eles recomendam evitar evitem cutucar o nariz e arrancar os pelos do local, devido ao risco de dano ao tecido protetor do órgão e da entrada de patógenos.