América Latina e Caribe tiveram ao menos 4.091 vítimas de feminicídio em 2020

·2 min de leitura
Fotos de vítimas de feminicídio são exibidas como parte de uma campanha de conscientização no âmbito do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher, em Medellín, Colômbia, em 23 de novembro de 2020 (AFP/JOAQUIN SARMIENTO)

Pelo menos 4.091 mulheres foram vítimas de feminicídio em 2020 na América Latina e no Caribe, uma queda de 10,6% em relação ao ano anterior, segundo relatório divulgado nesta quarta-feira (24) pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).

O estudo, realizado pelo Observatório da Igualdade de Gênero, descreveu a situação como uma verdadeira "pandemia nas sombras".

“O feminicídio ou femicídio como forma extrema e letal de violência de gênero continua afetando milhares de mulheres e meninas todos os anos” na região, afirma o relatório da Cepal, um órgão técnico das Nações Unidas.

A Cepal apontou que essa quantidade de feminicídios ocorreu “apesar do aumento de sua visibilidade, a resposta estatal e a pressão massiva dos movimentos de mulheres que expressam seu repúdio à violência de gênero em toda a região”.

Os mais de 4.000 feminicídios foram registrados em 26 países da região (17 na América Latina e 9 no Caribe) em 2020, uma redução de 10,6% em relação a 2019, quando foram notificados 4.576 casos, segundo os dados do Observatório de Igualdade de Gênero para a América Latina e o Caribe, que a cada ano consolida e atualiza os números de feminicídios fornecidos pelos governos.

De acordo com a Cepal, “o indicador é uma aproximação, pois ainda não existe uma metodologia comum para gerar estatísticas padronizadas sobre esse crime”.

As taxas mais altas foram registradas em Honduras (4,7 a cada 100.000 mulheres), na República Dominicana (2,4) e em El Salvador (2,1). Nestes três países foi registrada uma diminuição em relação a 2019, assim como na Bolívia, Brasil, Colômbia, Guatemala, Paraguai, Porto Rico e Uruguai.

Honduras passou de 6,1 feminicídios por 100.000 mulheres em 2019 para 4,7 em 2020, enquanto na República Dominicana a taxa caiu de 2,7 para 2,4 e em El Salvador de 3,3 para 2,1.

Argentina, Chile, México e Nicarágua mantiveram as mesmas taxas, enquanto Equador, Costa Rica e Panamá registraram um aumento em relação ao ano anterior.

“Não nos cansaremos de visibilizar a violência que atinge diariamente as mulheres e meninas de nossa região e que afeta a sociedade como um todo, pois constitui um obstáculo para a igualdade, o desenvolvimento e a paz sustentáveis”, afirmou Alicia Bárcena, secretária executiva da Cepal, na véspera do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher, a ser celebrado nesta quinta-feira.

pa/dga/ic/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos