Amazônia é do Brasil, não é de vocês, disse Bolsonaro a jornalista desaparecido

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 07.06.2022 - O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia no Palácio do Planalto. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 07.06.2022 - O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia no Palácio do Planalto. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

SÃO PAULO, SP, E RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL), que nesta terça-feira minimizou o desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e ao jornalista britânico Dom Phillips, não localizados desde o último domingo (5), deu uma resposta ríspida a uma pergunta desse mesmo jornalista em 2019, seu primeiro ano de governo.

O jornalista questionou o presidente sobre escalada do desmatamento na Amazônia. Bolsonaro respondeu: "Primeiro você tem que entender que a Amazônia é do Brasil, não é de vocês. A primeira resposta é essa daí, tá certo?".

Phillips em seguida se tornou alvo de apoiadores de Bolsonaro. O vídeo foi replicado nas redes bolsonaristas e ganhou milhares de visualizações.

"Dom ficou muito abalado com esse vídeo. Ele sentiu que isso colocava um alvo em suas costas e dificultava seu trabalho. Ele foi reconhecido em toda a Amazônia e em seu cotidiano por todos os tipos de pessoas como 'o jornalista que levou um esporro do Bolsonaro'", afirma o jornalista Andrew Fishman, amigo de Phillips.

Organizações que acompanham o caso --entre elas a que tinha o servidor licenciado da Funai (Fundação Nacional do Índio) como seu colaborador-- apontaram nesta terça-feira (7) omissão das autoridades e falta de uma força-tarefa dedicada à operação.

Bolsonaro classificou de "aventura" a viagem dos dois pelo oeste do estado do Amazonas. Phillips estava realizando uma cobertura jornalística e contava com o apoio de Pereira.

Os dois desapareceram enquanto viajavam da comunidade de São Rafael para a cidade de Atalaia do Norte, região do Vale do Javari. O trajeto deveria durar cerca de duas horas, mas ambos não retornaram à cidade.

Segundo informações divulgadas pela Marinha, Polícia Federal, Polícia Civil, Governo do Amazonas e Itamaraty, as operações de resgate contam com helicóptero, barcos, jet ski, mergulhadores e batalhões especiais. Ainda segundo os órgãos, mais reforços são previstos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos