Amazônia tem 3º pior agosto de queimadas dos últimos 11 anos

·5 minuto de leitura
*ARQUIVO* HUMAITÁ, AM, BRASIL 11.08.2018 Área de pasto queimado às margens da BR-319, próximo a Humaitá (AM). A cidade do sul do Amazonas, está no entroncamento da BR-319 com a rodovia Transamazônica, que é a região com a maior taxa de desmatamento do estado (Foto: Lalo de Almeida/Folhapress)
*ARQUIVO* HUMAITÁ, AM, BRASIL 11.08.2018 Área de pasto queimado às margens da BR-319, próximo a Humaitá (AM). A cidade do sul do Amazonas, está no entroncamento da BR-319 com a rodovia Transamazônica, que é a região com a maior taxa de desmatamento do estado (Foto: Lalo de Almeida/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Amazônia brasileira registrou em agosto de 2021 mais de 28 mil focos de queimadas —o terceiro pior resultado para o período nos últimos 11 anos. Os números, disponibilizados nesta quarta (1º) pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), só ficaram atrás dos registrados em 2019 e 2020, os dois primeiros anos do governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

Os incêndios no bioma costumam estar associados ao desmatamento. O fogo é usado para queimar a vegetação derrubada —e que foi deixada secando— e para limpar pastos.

Desde o final de junho um decreto presidencial veta o uso de queimadas para fins agrícolas e/ou em florestas no país.

O recorde de incêndios para agosto aconteceu há dois anos, quando foram mais de 30 mil focos de queimadas na região. Na ocasião, ocorreu o chamado "dia do fogo", quando proprietários de terra combinaram incêndios simultâneos na região de Novo Progresso (no sul do Pará), segundo apontam as investigações sobre o caso.

A ação começou por volta do dia 10 daquele mês e acabou chamando a atenção internacional. Na época, tanto o presidente francês, Emmanuel Macron, quanto a primeira-ministra alemã, Angela Merkel, se manifestaram publicamente sobre o tema e pediram providências para conter a destruição da floresta.

As queimadas do “dia do fogo” na Amazônia e em outros biomas (inclusive em países vizinhos) chegaram a escurecer até mesmo o céu da cidade de São Paulo —que fica a 2.000 km de Novo Progresso.

O segundo lugar no ranking dos incêndios na Amazônia de agosto do ranking pertence a 2020, com mais de 29 mil focos de queimadas no mês.

Dados recentes do MapBiomas Fogo (projeto criado por uma série de ONGs para monitorar o assunto) apontam que, nos últimos 36 anos, Amazônia e cerrado foram os biomas que mais queimaram no Brasil.

Ao todo, nesse período, quase 20% do território brasileiro foi atingido pelo fogo. Anualmente, os incêndios consomem 1,8% do território nacional, uma área do tamanho da Inglaterra.

Historicamente, as queimadas no país começam a ser feitas entre junho e julho e chegam ao auge em setembro —durante o período de seca, portanto.

Dados apontam que os incêndios registrados no país nesse período concentram-se em áreas de vegetação nativa e costumam ocorrer dentro de propriedades particulares. Assim, é possível determinar quem é o dono do terreno onde aconteceu a queimada.

Desde o início de seu governo, Bolsonaro vem sendo criticado por algumas de suas declarações sobre o tema, como quando ele minimizou o desmatamento ou quando defendeu de maneira reiterada a liberação de mineração em terras indígenas.

O presidente brasileiro chegou a afirmar, sem provas, que os dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) sobre desmatamento não eram reais e a acusar o então diretor do órgão, Ricardo Galvão, de estar a “serviço de alguma ONG".

Os dados de queimadas também já foram colocados em dúvida, mais uma vez sem provas, por Hamilton Mourão (PRTB), vice-presidente e chefe do Conselho da Amazônia.

Em outras oportunidades, Bolsonaro chegou a afirmar que a Amazônia não pega fogo. De fato, incêndios naturais não fazem parte das dinâmicas do bioma, que é úmido. Portanto, quando há fogo na mata nativa, ele normalmente é fruto de ação humana e, por vezes, criminoso.

Mesmo com as críticas —nacionais e internacionais— e os dados que mostram um aumento dos crimes ambientais durante a atual gestão, o governo não apresentou uma estratégia para resolver o problema.

Pelo contrário, o governo Bolsonaro descontinuou o PPCDam, plano contra desmatamento com mais de uma década que tinha ajudado a baixar os altos níveis de destruição do começo do século.

A principal aposta do presidente para conter o desmatamento até o momento tem sido no trabalho das Forças Armadas na Amazônia. A atuação do Exército na região, porém, não tem apresentado resultados —dados mostram de desmate e de queimadas mostram que a destruição da floresta segue em um patamar alto.

Além disso, a ação dos militares também tem sido criticada por seu custo, especialmente na comparação com a falta de verbas para os órgãos especializados em combate a crimes ambientais, que estão sucateados.

O cerrado também teve um agosto com número de queimadas particularmente alto. Foram registrados pelo Inpe pouco mais de 15 mil focos de fogo, o maior valor desde 2014 e o sexto maior já registrado no bioma. Em relação a agosto de 2020, o crescimento foi de 48%.

Diferente da Amazônia, o cerrado tem incêndios por causas naturais. Nesses casos, o fogo costuma ser localizado e transitório e o bioma está adaptado para lidar com isso.

O problema, assim, acontece quando acontecem queimadas causadas por humanos. Por serem mais agressivas e duradouras que as naturais, elas acabam prejudicando fauna e flora da região.

Um exemplo de um amplo incêndio no cerrado ocorreu na última semana no Parque do Juquery, único fragmento do bioma ainda existente na Grande São Paulo. Suspeita-se que o fogo —que levou dias para ser contido— teve origem na queda de um balão.

REPERCUSSÃO

O ONG WWF-Brasil, em nota, afirmou que os elevados números de queimadas e o desmatamento observados estão atrelados a um desmonte da política ambiental. "A reversão desse cenário passa por medidas mais sérias de controle do desmatamento em todos os biomas", diz a entidade.

Já o Greenpeace Brasil demonstrou preocupação com a concentração das queimadas no estado do Amazonas, que, pela primeira vez desde 2000, teve o maior número de focos entre os estados do bioma.

"Os números refletem a preocupante escalada do desmatamento na região do sul do Amazonas, que já vinha sendo identificada pelos sistemas de monitoramento", afirma o Greenpeace.

A entidade ainda afirma que governo "opta pelo enfraquecimento deliberado das políticas de proteção ambiental" e cita outros temas que são tidos como passíveis de causar impacto na proteção da floresta, como o julgamento, no STF (Supremo Tribunal Federal) do chamado marco temporal, além de projetos que correm no Congresso sobre o tema.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos