Amazon compra MGM por US$ 8,45 bilhões e acirra concorrência no streaming

·3 minuto de leitura

WASHINGTON — A Amazon fechou a compra dos estúdios da MGM anunciaram as duas empresas nesta quarta-feira. Com o negócio, de US$ 8,45 bilhões, a companhia de tecnologia terá direito sobre uma série de filmes e programas de sucesso, de James Bond e Pantera Cor de Rosa a O Silêncio dos Inocentes.

A compra de um dos mais emblemáticos estúdios de Hollywood marca a maior incursão da gigante do comércio eletrônico no setor de entretenimento. E visa a reforçar o serviço de streaming da empresa, o Prime Video, acirrando a concorrência no setor.

A MGM tem um catálogo com mais de quatro mil filmes e 17 mil programas de TV, de acordo com Mike Hopkins, que dirige a Prime Video e a Amazon Studios.

— O valor financeiro real por trás deste negócio é o tesouro no catálogo profundo que planejamos reimaginar e desenvolver junto com a talentosa equipe da MGM. É muito empolgante e oferece muitas oportunidades para narrativas de alta qualidade — acrescentou.

As duas empresas disseram que a conclusão do negócio "está sujeita a aprovações regulatórias e outras condições habituais de fechamento".

Na semana passada, foi anunciada a união entre Warner e Discovery, a maior fusão da indústria de mídia em anos. A operação, que também visava a reforçar o streaming, criou um gigante com valor de US$ 150 bilhões (quase R$ 800 bilhões), maior que a Netflix.

No portfólio da Warner-Discovery encontram-se séries aclamadas pelos fãs, como Friends, The Big Bang Theory e Game of Thrones, assim como a saga de filmes Harry Potter.

O valor pago pela Amazon para adquirir o MGM é 40% maior que as ofertas pelo estúdio feitas nos últimos meses. Entre os interessados estiveram Apple e Comcast. A cifra também é a segunda maior já paga pela empresa de Jeff Bezos na história da companhia.

Em 2017, a Amazon desembolsou US$ 13,4 bilhões pela Whole Foods, uma grande rede de varejo na área de alimentos nos Estados Unidos.

Mas, afinal, por que a Amazon se dispôs a pagar tanto pelo MGM?

Fundado há 97 anos, o estúdio encarna o espírito de Hollywood. Grande parte de suas produções, porém, já foi vendida. A Sony Pictures detém direitos sobre um pedaço e a Warner se tornou dona de clássicos como "Cantando na chuva", "O mágico de Oz" e "E o vento levou".

Após o anúncio da negociação, as ações da Amazon, negociadas em Nasdaq, subiam 0,32%, por volta de 11h45, no horário de Brasília. Empresas concorrentes como Netflix e Diseney também tinham altas de 0,31% e 0,72%, respectivamente.

A joia da coroa do MGM, hoje, é James Bond. Mas nem a franquia do mais popular espião do cinema será 100% da Amazon. Metade dela pertence aos irmãos Barbara Broccoli e Michael G. Wilson. É deles a decisão de lançar ou não um novo filme sobre o personagem. O próximo está previsto para outubro.

Mesmo assim, a Amazon vê no negócio uma oportunidade de deslanchar o Prime Video. O serviço tem cerca de 200 milhões de membros e potencial para crescer muito mais. Na pandemia, o streaming bombou com as pessoas passando mais tempo em casa.

— Mais e mais membros do Prime passam mais horas vendo vídeos. (A aquisição) é uma forma de ampliar o conteúdo para os usuários - disse ao New York Times Brian Yarbrough, analista da consultoria Edward Jones.

Ele completa:

— Mais membros se traduz em potencial maior para publicidade.

De acordo com o NYT, embora a videoteca do MGM tenha sido reduzida com vendas de coleções anteriores, o estúdio é dono de 4 mil filmes antigos, incluindo Rocky, vivido por Sylvester Stallone, e RoboCop, o policial robô interpretado por Peter Weller.

Deter os direitos sobre esses e outros títulos vale ouro num momento em que os estúdios estão mais restritos para licenciar as produções para serviços de streaming que não sejam do mesmo grupo.

A Warner, a Walt Disney e a Paramount, agora, abastecem os canais HBO Max, Disney + e Paramount +, respectivamente. E os estúdios indendentes vêm fechando mais e mais contratos. A Sony Pictures, por exemplo, licenciou seus filmes antigos para Netflix e Disney por mais de US$ 3 bilhões.