Amazon reembolsará compras feitas por crianças em tablets

Nos três primeiros meses do ano, o lucro líquido da empresa subiu 41%, a US$ 724 milhões, e seu volume de negócios aumentou 23%, a US$ 35,7 bilhões

A Amazon desistiu nesta terça-feira de recorrer à decisão de um regulador dos Estados Unidos que considera a empresa responsável pelas compras realizadas por crianças através de aplicativos instalados em seus tablets, e reembolsará 70 milhões de dólares.

"Este caso demonstra o que deveria ser um princípio fundamental de todas as empresas: precisa-se do consentimento do consumidor antes de faturar uma compra", ressaltou Thomas Paul, da Federal Trade Commission (FTC), organismo encarregado pela defesa do consumidor.

"Os consumidores afetados pelas práticas da Amazon agora podem ser indenizados por esses gastos que não esperavam e que não autorizaram", acrescentou.

O fim do litígio permitirá que se reembolsem aproximadamente 70 milhões de dólares de compras realizadas entre novembro de 2011 e maio de 2016.

A FTC já havia solucionado de forma amistosa casos similares com a Apple e a Google, argumentando que a ausência de senhas permitia às crianças fazer compras pelos aplicativos sem o consentimento de seus pais.

A Amazon não comentou a decisão de renunciar ao recurso. Segundo a FTC, a companhia anunciará em breve os detalhes dos reembolsos.