Amazônia perdeu 47 milhões de hectares nos últimos 30 anos

O desmatamento da Amazônia é motivo de grande preocupação para o Brasil (AP Foto/Andre Penner, archivo)

Entre os anos de 1985 e 2018, o Brasil perdeu 89 milhões de hectares de vegetação natural, dos quais 47 milhões apenas na Amazônia. Os dados são da plataforma MapBiomas, que tem o Google como parceiro de tecnologia e é financiada por diversas entidades internacionais. A iniciativa envolve ainda ONGs, universidades e empresas de tecnologia.

Leia também:

Mapas anuais de estados, municípios e terras indígenas

Os dados apresentados pelo Coleção 4.0 MapBiomas traz mapas anuais de cobertura e uso do solo do Brasil com resolução de 30 metros (cada pixel representa uma área de 30 metros x 30 metros). São realizadas estatísticas de cobertura e uso do solo e recortes territoriais de bioma de estados, municípios, terras indígenas e unidades de conservação.

Destruição acelerada nos últimos 34 anos

O ritmo da destruição do solo amazônico, principalmente entre 2008 e 2018, foi 170 vezes mais rápido do que aquele registrado na Mata Atlântica durante o Brasil Colônia. Esse acontecimento se torna preocupante, uma vez que a Amazônia é considerada um grande centro de biodiversidade, com muitas plantas e animais que só podem ser encontrados ali.

Entre as principais causas do desmatamento da Amazônia podem-se destacar a impunidade a crimes ambientais, os retrocessos em políticas de conservação, a atividade pecuária, o estímulo à grilagem - falsificação de documentos para, ilegalmente, tomar posse de terras públicas ou de terceiros - e a retomada de grandes obras.

Fertilidade do solo está ameaçada

O desmatamento da Amazônia é motivo de grande preocupação para o Brasil, pois ele leva a alterações significativas no funcionamento dos ecossistemas, gerando impactos sobre a estrutura e a fertilidade dos solos e sobre o ciclo hidrológico, constituindo importante fonte de gases do efeito estufa.

Incêndios criminosos e seca

Incêndios na Amazônia geralmente são iniciados com o propósito de limpar a terra. Depois que os madeireiros extraem a madeira, os donos da terra queimam a vegetação restante para “limpá-la” na esperança de vender essa terra para fazendeiros. A Amazônia passa por uma estação seca há meses, um período no qual os incêndios podem se espalhar mais facilmente e sair do controle.