Ambulantes sorteados para o carnaval de rua do Rio recebem kits e passam por treinamento; 56% são mulheres

Companheiros dos foliões nos desfiles dos blocos de carnaval, os ambulantes que atuarão na festa de rua do Rio de Janeiro já começaram a receber treinamentos e os kits para o trabalho. Este ano, foram mais de 38 mil inscritos, de acordo com a Prefeitura, por isso, foi preciso sortear os vendedores aptos entre as 10 mil vagas disponíveis.

— Como bom carioca, eu adoro carnaval (risos). A partir do momento que existe uma festa em que a Prefeitura tem a preocupação de credenciar os trabalhares, ela passa a saber quem está vendendo. Isso dá uma segurança a todos os envolvidos. São pessoas que sabemos o nome, sobrenome, os documentos, o público pode saber que eles foram treinados e compraram os produtos em lugares dentro da legalidade. A fiscalização existe a todo momento, mas isso facilita e muito caso algo aconteça — avalia Bruno Guerra, diretor do cluster de festas populares da Dream Factory, empresa contratada pela Prefeitura e a Riotur para a organização do carnaval.

Os perfis dos ambulantes sorteados neste ano ainda não foram completamente fechados, mas um dado já chamou a atenção: 56% das inscritas foram mulheres. E a porcentagem entre as sorteadas seguiu a mesma proporção.

— É a primeira vez que participo do carnaval de rua como ambulante. Estou feliz por ter sido sorteada e espero que essa oportunidade seja muito boa para mim — diz Regina Nunes de Almeida, de 41 anos, moradora da Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio.

O cadastro dos sorteados vai até o dia 29 de janeiro. Por dia, 1540 pessoas passam pelo processo. No treinamento, aprendem desde postura na rua à segurança para o trabalhador e o folião. Quem perde o dia do credenciamento, não ganha a autorização e não tem um dia para a repescagem. Um novo sorteio é feito. A rotina do dia do registro é rápida, não dura mais que uma hora.

— Até pelo alto número de inscritos, temos montada uma programação muito certinha. O credenciamento é feito por hora, com 140 pessoas em média. Dentro desse período, há fase de conferência de documentos, tiram-se fotos, recebem o treinamento dos órgãos públicos e patrocinadores e, por fim, pegam o kit contendo um isopor de 44 litros, o colete e uma bolsa. Tudo isso não precisa ser devolvido no fim do dia 26 de feveiro, data oficial do fim do carnaval e da permissão de operação — explica Bruno.