Ameaçado por Onyx, Luis Miranda pede colete à prova de balas para depor em CPI

Luis Miranda relatou que vem sendo ameaçado (Foto:Najara Araújo/Câmara dos Deputados)
Luis Miranda relatou que vem sendo ameaçado (Foto:Najara Araújo/Câmara dos Deputados)
  • Luis Miranda pediu coletes à prova de balas e carro blindado para depor na CPI da Covid com seu irmão, Luis Ricardo Miranda

  • Ele relatou que vem sofrendo ameaças depois de revelar ter alertado Bolsonaro para as questões acerca da Covaxin

  • O deputado federal foi ameaçado na última quarta-feira pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni

O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) pediu coletes à prova de bala para que ele e seu irmão, Luis Ricardo Miranda, depusessem na CPI da Covid nesta sexta-feira à tarde. As informações são da coluna Radar, da Veja.

O pedido de Luis Miranda aconteceu depois de ele ter sido ameaçado pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, em pronunciamento à imprensa na noite de quarta-feira.

Leia também:

Na ocasião, Onyx disse que Luis e seu irmão, que é servidor do Ministério da Saúde, iam “se entender com Deus, mas com a gente também”, além de “explicar e pagar pela irresponsabilidade”, depois de o deputado afirmar à Folha de S.Paulo que alertou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre as suspeitas na compra da vacina indiana Covaxin.

Inicialmente, a CPI pediu que a Polícia Federal concedesse proteção a Luis e seu irmão. Diante do silêncio, porém, o deputado veio a público e cobrou que lhes fossem fornecidos coletes à prova de balas, além de um veículo blindado.

Onyx ameaçou o deputado em pronunciamento (Foto: Evaristo Sá / AFP via Getty Images)
Onyx ameaçou o deputado em pronunciamento (Foto: Evaristo Sá / AFP via Getty Images)

“Eu quero colete à prova de bala, carro blindado aqui em casa, pra daqui a gente sair pra cumprir a nossa missão patriota de mostrar pro povo brasileiro a verdade”, declarou.

Deputado relata ameaças

Luis afirmou que vem sofrendo ameaças desde a declaração de Onyx e que deseja mais segurança em seu depoimento: “A gente sabe o que pode acontecer”.

“Realmente, os movimentos são movimentos muito perigosos. Ameaças que eu já sofri, de que eu vou me ver com eles, feitas pelo Onyx, né? Infelizmente não dá pra confiar que nada não possa estar sendo planejado. Podem querer colocar a culpa num doido, num militante apaixonado pelo presidente, mas no fundo a gente sabe o que pode acontecer”, considerou.