Rombo na Americanas: bancos iniciam desbloqueio e caixa sobe para R$ 600 milhões

No dia seguinte ao pedido de recuperação judicial aprovado pela Justiça, o caixa da Americanas já subiu para cerca de R$ 600 milhões nesta sexta-feira com bancos iniciando o processo de desbloqueio dos recursos. Ontem, a situação da varejista chegou a um nível crítico, com R$ 250 milhões, afetando a capacidade de pagamento e gerando forte preocupação entre os fornecedores.

Americanas: Plano de recuperação pode levar até dois anos para ser aprovado, dizem credores

É seguro comprar na Americanas? Quais os direitos do cliente? Tire suas dúvidas

Ao aceitar o pedido de recuperação judicial, a Justiça determinou o desbloqueio de uma série de recursos retidos pelos bancos. O Bradesco já liberou os R$ 474 milhões que havia bloqueado.

O Itaú também já liberou cerca de R$ 50 milhões. O Banco Votorantim também desbloqueou recursos. Há ainda, segundo a Americanas, dinheiro retido com Safra e BTG. De acordo com o pedido apresentado à Justiça, a Americanas tem R$ 43 bilhões em dívidas e um total de 16.300 credores.

A decisão que determina a liberação de recursos retidos pelos bancos, porém, não atinge o bloqueio de R$ 1,2 bilhão feito pelo BTG. Porém, a Americanas vai recorrer, segundo fontes.

Americanas garante pagamento

Em comunicado enviado às empresas que fazem parte de seu marketplace, a Americanas disse que os vendedores vão continuar recebendo os repasses dos valores “dentro dos prazos de pagamentos estabelecidos”. Segundo os fornecedores, esse período pode chegar a 90 dias.

Rombo na Americanas: Lemann, Telles e Sicupira se comprometem a manter empresa em operação

Gestão: Crise na Americanas joga o foco em trio da 3G Capital

Ao explicar o processo de recuperação judicial, a Americanas disse ainda que vai manter as negociações com os credores e vai “apurar as circunstâncias para que os responsáveis pelas inconsistências contábeis sejam identificados”.

A Americanas destacou ainda que vai dar “início à construção de um plano de ação” para cumprir as etapas previstas no processo de recuperação judicial.