Americanas: grupo que controla varejista também tem outros dez grandes negócios; veja lista

A Americanas chocou o mercado e a opinião pública após revelar, na última semana, que tinha cerca de R$ 20 bilhões em dívidas não registradas em seu balanço de contas. Esse rombo pode acarretar no vencimento antecipado e imediato de dívidas em montante aproximado de R$ 40 bilhões. A origem do rombo está em um tipo de operação que é comum no varejo, chamada de "risco sacado".

Rombo na Americanas: entenda em 7 pontos a crise na empresa

Blog: as duríssimas palavras do BTG contra Lemann e 3G Capital no caso Americanas

A Americanas obteve uma medida de tutela de urgência cautelar que, na prática, impede a execução antecipada de dívidas por 30 dias. Nos argumentos apresentados à Justiça, a varejista afirma que as "inconsistências contábeis" poderiam alterar seu grau de endividamento e acarretar o vencimento antecipado de R$ 40 bilhões em dívidas. Com isso, as ações da Americanas chegaram a cair quase 80% em um único dia, perdendo o equivalente a R$ 8,4 bilhões em valor de mercado, na última quinta-feira.

Com a 3G Capital, o bilionário Jorge Paulo Lemann, o homem mais rico do Brasil segundo levantamento mais recente feito pela revista Forbes, controla a gigante do varejo Americanas, que passa agora por sua pior crise, e outros dez grandes negócios. Mesmo não participando mais do dia a dia da empresa, tanto Lemann quanto seus sócios, Marcel Telles e Beto Sicupira, são acionistas de referência e têm representantes no Conselho de Administração da empresa. A rede de varejo é, desde 1982, uma das principais companhias da 3G Capital.

Depois de levar a rede física das Americanas para quase todo o país, a aposta no comando da gigante voltou-se para o e-commerce: entre 2005 e 2006, foram comprados Shoptime, Ingresso.com e Submarino. Em 2007, a Americanas.com se fundiu com Submarino e incorporou o Shoptime, criando um gigante do comércio eletrônico que se tornou referência no mercado.

Lemann é, ainda, acionista controlador da gigante cervejeira AB Inbev, da Ambev, além de possuir participações em conglomerados internacionais como Kraft Heinz (líder no segmento de ketchup) e Restaurant Brands International (Burger King e Tim Hortons).

No Brasil, seu império inclui a São Carlos Empreendimentos, empresa de investimento e administração de imóveis comerciais no Brasil, o Hortifruti Natural da Terra, o Grupo Uni.co, dono da Imaginarium e da Puket e a Vibra (ex-BR Distribuidora), além das Americanas.

A aquisição do Hortifruti, das mais recentes do grupo, em 2021, tinha como objetivo expandir a atuação no setor de supermercado, “com mais ofertas de produtos frescos e saudáveis”. Na época, a compra custou R$ 2,1 bilhões, valor um pouco maior do que o perdido por Lemman como consequência da queda de quase 80% nas ações da Americanas em um único dia, na última quinta-feira.