Americanas pode precisar de até R$ 21 bi de capital para atender credores, calcula XP

Após comunicar inconsistências contábeis em seus balanços na semana passada, a Americanas pode precisar de até R$ 21 bilhões em capital para atender seus credores, de acordo com cálculos da XP Investimentos.

Segundo os analistas da instituição, a estimativa leva em conta diferentes cenários de endividamento e margem operacional da empresa. Eles observam que a Americanas precisará captar, por meio de oferta de ações, valores entre R$ 12 bilhões e R$ 21 bilhões.

Crise da Americanas: Bancos devem iniciar batalha judicial para liberar cobrança de dívidas

Lemann, Telles e Sicupira: Crise na Americanas joga o foco em trio da 3G Capital

No mercado, segundo noticiou o jornal Valor Econômico, o comentário é que esse montante poderia chegar a R$ 12 bilhões. Na sexta-feira, a companhia tinha valor de mercado na casa dos R$ 2,8 bilhões.

Em relatório, a XP destaca que será possível fazer uma estimativa mais exata quando houver maior visibilidade da situação financeira da Americanas em seus próximos balanços.

A XP ainda traça um cenário sobre um eventual processo de recuperação judicial da varejista. Após entrar com um pedido de tutela de urgência, concedido na sexta-feira pela Justiça, a empresa comunicou ao mercado que a medida não implica em um pedido de recuperação judicial.

No entanto, como mostrou O GLOBO, a varejista já prepara seu pedido de recuperação judicial. A rigor, a empresa tem, pela decisão, 30 dias para formular o pedido, que precisaria ser feito à mesma Vara que concedeu a tutela.

Impactos para a empresa

Os analistas da XP destacam que uma recuperação judicial tem prazo médio de três anos, mas que esse tempo pode ser maior. Eles citam casos recentes como o da Oi, com duração de seis anos, e da construtora Viver, que levou cinco anos.

Antecipação: Diretores da Americanas venderam ações meses antes da revelação do rombo de R$ 20 bilhões

Outro impacto seria a saída da Americanas do Ibovespa, principal índice da B3. Isso porque a metodologia adotada não permite que empresas em recuperação judicial componham o índice. Elas poderiam continuar sendo negociadas, mas fora do Ibovespa.

“As ações tendem a sofrer durante processos de recuperação judicial, uma vez que as medidas são focadas nos credores e são geralmente diluitivas aos acionistas” escrevem os analistas

O que a Americanas pode fazer?

A XP também destaca alguns caminhos que a empresa pode seguir para tentar retomar sua saúde financeira.

Os analistas citam venda de ativos, renegociação de dívidas, a conversões dos valores devidos em ações da Americanas e o aumento de capital. Mas a XP não descarta o encerramento das atividades da empresa.

A XP, assim como outros bancos e corretoras, colocou a recomendação da empresa em revisão até que se tenha maiores informações sobre as inconsistências.