Americanas: Rial cita governança e coerência em mensagem de despedida aos donos da 3G Capital

Em post nas rede sociais, Sergio Rial confirmou sua saída na turbulenta passagem pelas Americanas. E em mensagem associou ainda os nove dias em que esteve na varejista a “ lições profundas de governança, autenticidade e coerência”.

Justiça: Em nova derrota ao BTG, Justiça do Rio mantém liminar concedida a Americanas

Lemann, Telles e Sicupira: Crise na Americanas joga o foco em trio da 3G Capital

Na segunda-feira, a varejista contratou a Rothschild como interlocutor com os credores no Brasil e no exterior, papel até então exercido por Rial. A informação sobre a saída do executivo foi antecipada pelo colunista Lauro Jardim.

“Quanto à minha saída, ela decorre do entendimento da necessidade de abrir espaço para que a empresa pudesse se reestruturar de um ponto de partida totalmente distinto do que eu esperava encontrar. É preciso saber o momento de se posicionar dentro de um novo contexto que se apresenta. Foi o que fiz, sem me descomprometer em ajudar no que estivesse ao meu alcance”, disse em post.

Destacou ainda que, “com a conclusão do diagnóstico inicial, surgiu a necessidade premente de correção de rota”. Em outro trecho, afirma que a correção partiu da “transparência e do apoio incondicional” que recebeu do Conselho de Administração e dos acionistas de referência.

Rial: 'Eu tive uma escolha de Sofia: Eu falo ou não?', diz ex-CEO da Americanas sobre rombo de R$ 20 bi

E faz uma reflexão de “que ser líder não é ser corajoso, mas ser responsável e ético; não é ser herói ou heroína, mas ter a resiliência para defender a verdade e fazer o que é certo”.