Americanas: Safra e Santander entram na Justiça para suspender recuperação judicial

Marilia, Sao Paulo, Brazil, January 12, 2023. Lojas Americanas facade and logo in the city center of Marília, SP. The company is listed on the stock exchange (B3) as AMER3.
Marilia, Sao Paulo, Brazil, January 12, 2023. Lojas Americanas facade and logo in the city center of Marília, SP. The company is listed on the stock exchange (B3) as AMER3.

O Santander e o Safra entraram na Justiça tentar para suspender a Recuperação Judicial da Americanas. As informações são do Estadão.

O Santander argumenta que o “pior já aconteceu” e alega que a Justiça do Rio de Janeiro não é a mais apropriada para julgar o pedido da rede de varejo, que deveria acontecer em São Paulo, onde a maior parte das decisões da rede é tomada.

Existe ainda um pedido para que a Justiça determine que a Americanas apresente em 24 horas documentos que “comprovem cabalmente” que a cidade do Rio de Janeiro é de fato o principal local de sua sede.

Já o Safra, que tem R$ 2 bilhões 'pendurados' com a varejista, alega que seria necessária uma perícia para saber as condições reais da rede e que ela não apresentou os três últimos balanços, um dos requisitos para um processo de recuperação judicial.

Lemann e sócios já viveram outros escândalos financeiros

O trio, que compõem a lista de homens mais ricos do Brasil, sempre foram tidos como investidores de sucesso e executivos afiados. Entretanto, com as suspeitas de manobras de má-fé na Americanas, o histórico dos empresários passou a ser examinado de forma mais crítica. Lemann, Telles e Sicupira já estiveram envolvidos em diversos escândalos financeiros, confira:

Banco Garantia

Em 1998 o banco Garantia, criado pelo trio nos anos 1970, quase faliu. Marcado pela "gestão ousada" dos seus donos, a instituição financeira teve de ser vendida ao Credit Suisse First Boston para evitar seu fracasso.

Cosan/ALL

A América Latina Logística (ALL) foi uma empresa brasileira concessionária de ferrovias no Brasil e na Argentina, responsável pelo tráfego de 75% do PIB do Mercosul.

Segundo a Cosan, que adquiriu a empresa das mãos do grupo da 3G Capital em 2014, a impressão era de que Lemann e seus sócios haviam parado de manter a malha ferroviária há 10 anos devido ao estado de destruição que ela se encontrava. A Cosan alegou também práticas fraudulentas para inflar os resultados.

Kraft Heinz

O trio se uniu ao megainvestidor Warren Buffett para comprar a marca de ketchup Heinz, aliando a empresa, em 2015, a gigante de alimentos Kraft, criando a Kraft Heinz. No entanto, em 2021 os sócios tiveram que entrar em um acordo com a SEC, a CVM americana, para acabar com uma investigação sobre má-conduta contábil na empresa entre 2015 e 2018, pagando uma multa de US$ 62 milhões.

Stone

Também em 2021, a Stone, startup unicórnio do setor de pagamentos cujo grupo possui 4%, se viu com problemas em concessão de crédito devido a "erros de experiência com recebíveis", segundo o próprio CEO da empresa. No mesmo ano a empresa viu seu valor de mercado derreter 80%.