Americano preso por porte de armas disse simpatizar com EI

Policial americano em Nova York

Um americano preso por porte ilegal de armas em Miami disse ser um simpatizante do grupo jihadista Estado Islâmico e querer disparar contra pessoas, afirmou o FBI em uma declaração.

Segundo o documento arquivado em um tribunal de Miami, Flórida (sudeste dos Estados Unidos), Miguel Morán Díaz, de 46 anos, foi preso em 2 de abril sob a acusação de portar armas de fogo apesar de ser um criminoso convicto, em contravenção das leis.

Mas o documento, ao qual a AFP teve acesso, aponta que a pessoa, que mantinha uma página no Facebook sob o nome de Azizi al-Hariri na qual publicava artigos sobre o Estado Islâmico (EI), disse a um informante do FBI que era um lobo solitário simpatizante do grupo e que planejava abrir fogo contra pessoas.

O FBI não encontrou provas de que Morán Díaz tenha tido efetivamente contato com a organização jihadista que proclamou seu califado em amplos territórios entre Iraque e Síria.

Ao inspecionar sua casa após a prisão, mais armas foram apreendidas.

Morán Díaz havia sido condenado em 2005 por tráfico de cocaína.

Na semana passada autoridades anunciaram a prisão de seis somalis-americanos do estado de Minnesota que planejavam viajar para se unir ao EI. Um adolescente detido por porte de armas na Carolina do Sul planejava fazer o mesmo, segundo promotores.