Americanos, alguns com 23 anos, optam por vasectomia após Suprema Corte dos EUA derrubar direito ao aborto

Connor Speed ​​nunca imaginou que pediria uma vasectomia aos 23 anos, mas após a decisão da Suprema Corte dos EUA de derrubar a Roe vs. Wade, que garantia o direito legal ao aborto, ele decidiu arriscar. Ele está frustrado com o que vê como uma perda de direitos das mulheres em sua vida e também quer evitar uma gravidez indesejada.

Novo mapa: Veja em quais estados o aborto será proibido nos EUA, e onde continuará legal

Guga Chacra: Suprema Corte pune mulheres pobres de estados conservadores

— Infelizmente, minha noiva e minha filha agora não têm o direito de escolher o que querem fazer com seu corpo, e eu tenho, então fiz essa escolha — disse Speed, que agendou o procedimento em seu estado natal, Missouri, cinco dias após a decisão.

Quando ele passar pelo procedimento planejado em outubro, ele terá completado 24 anos.

A reversão do tribunal superior da decisão histórica de 1973 que protegia o direito federal ao aborto causou ondas de choque nas comunidades médica, jurídica e de defesa. Sob pressão para reagir, a Casa Branca disse que o presidente Joe Biden assinou uma ordem executiva na sexta-feira destinada a preservar o acesso ao procedimento.

Enquanto isso, os casais foram forçados a reconsiderar como se protegerão contra uma gravidez indesejada. Speed ​​está entre as centenas de homens que correm para agendar procedimentos de esterilização após a decisão de 24 de junho.

70 chamadas

Em Ohio, onde os abortos agora são proibidos após seis semanas de gravidez, a Cleveland Clinic passou de três a quatro vasectomias por dia para 90 na semana seguinte à decisão da Suprema Corte. Em Des Moines, no Iowa, o urologista Esgar Guarín disse que normalmente realiza 40 a 50 vasectomias por mês. Só no último fim de semana, 20 homens se registraram. Koushik Shaw, do Austin Urology Institute, no Texas, disse que seu escritório recebeu cerca de 70 ligações na hora da decisão.

Ohio: Menina de 10 anos viajou para Indiana para fazer aborto

Muitos homens que consideravam uma vasectomia dizem que o veredicto foi a gota d'água, de acordo com o urologista Doug Stein, de Tampa, na Flórida. Os pedidos semanais para o procedimento em seu consultório quase triplicaram para cerca de 150.

— Eles querem permanecer livres de uma gravidez, porque agora você não pode interrompê-la tão facilmente quanto antes — disse.

A Planned Parenthood Federation of America, que fornece vasectomias em algumas de suas clínicas, disse que o tráfego em uma página da web explicando como receber um procedimento de esterilização aumentou mais de 2.200% nos dias seguintes ao julgamento. O tráfego para um artigo sobre como fazer uma vasectomia aumentou mais de 1.500%.

— Muitas pessoas estão legitimamente preocupadas com seus direitos e o acesso a cuidados de saúde sexual e reprodutiva, incluindo o aborto — disse Diana Contreras , diretora de saúde da Planned Parenthood.

Em uma vasectomia, os médicos cortam os tubos que transportam o esperma, impedindo que se misture com o sêmen. A dependência nisso não é incomum: em uma pesquisa dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças publicada em 2020, 5,6% das mulheres citaram a vasectomia como sua abordagem contraceptiva, em comparação com 14% usando pílulas anticoncepcionais.

Sem comprovação científica: Desinformação sobre aborto no TikTok deixa médicos nos EUA em alerta

Embora as vasectomias sejam frequentemente reversíveis, as taxas de sucesso variam de 30% a 90%. Os procedimentos de laqueadura da maioria das mulheres, outra forma cirúrgica de prevenção da gravidez, não podem ser revertidos e são muito mais perigosos do que a esterilização masculina.

Sem arrependimentos

— A cada ano, somente neste país, 25 a 30 mulheres morrem por terem suas trompas ligadas — disse Marc Goldstein, urologista da Weill Cornell Medicine. Em contraste, uma pesquisa publicada no New England Journal of Medicine em 1992 descobriu que, entre os homens que não tinham câncer no início do estudo, a vasectomia “estava associada a reduções na mortalidade por todas as causas”.

Questão política: Pressionado por democratas, Biden tem poucas opções para proteger acesso ao aborto

Goldstein disse que viu um aumento incomum entre vasectomias em homens mais jovens e em casais sem filhos desde a decisão. Isso também pode refletir uma ligação entre vasectomias e medo financeiro que foi observado em períodos como a Grande Recessão de 2007-2009, quando os procedimentos aumentaram enquanto as reversões caíram, disse. A confiança do consumidor dos EUA caiu para seu ponto mais baixo desde julho de 2020, de acordo com o US Consumer Confidence Tracker da Ipsos-Forbes Advisor .

— Sempre que vemos uma desaceleração na economia, mais pessoas pensam em ter menos filhos — disse Philip Werthman, urologista do Centro de Medicina Reprodutiva Masculina e Reversão de Vasectomia em Los Angeles.

Resta saber se essas tendências duram.

— Minha resposta inicial é que parte disso é uma reação inicial — disse Stein, o urologista de Tampa., acrescentando que legislações futuras e a atividade das cortes provavelmente desempenharão um papel importante.

Embora a contracepção em si não seja afetada pela decisão do tribunal de junho, o juiz Clarence Thomas sugeriu que o grupo reconsiderasse essa questão, entre muitas outras questões baseadas em direitos. À medida que essas incertezas aumentam, Speed ​​​​disse que sua escolha de fazer uma vasectomia aliviou muitas de suas ansiedades sobre o planejamento familiar.

— Eu não me arrependo da minha decisão — disse ele. — Estou ansioso por isso, estou animado e espero que não seja apenas uma decisão tomada em vão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos