Americanos na rua para pedir maior controlo das armas de fogo

Milhares de pessoas saíram para a rua este sábado em várias cidades dos Estados Unidos para dizer basta e exigir medidas para combater a violência com armas de fogo. Uma iniciativa organizada pelo "March for Our Lives", um movimento fundado pelos sobreviventes de um tiroteio numa escola de Parkland, na Florida, pequena cidade que voltou a estar no centro dos protestos.

Sari Kaufman foi uma das sobreviventes do tiroteio que provocou 17 mortes em 2018, sublinha que "a cultura mudou e que agora, mais de 80 por cento dos americanos apoia políticas de prevenção da violência com armas de fogo, pelo que os políticos precisam de ouvir as pessoas".

Desde o início do ano, as armas de fogo já mataram perto de 20 mil pessoas no país ou quase 120 vidas perdidas por dia.

Na ressaca dos ataques de Uvalde e Buffalo, a Casa dos Representantes passou um pacote de medidas para limitar o acesso a armas de fogo mas é pouco provável que venha a ser aprovado no Senado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos