Amigo de Paulo Gustavo revela nova mensagem do ator enquanto estava internado: 'Tô sem fôlego'

Um dos melhores amigos de Paulo Gustavo, o roteirista Fil Braz compartilhou, neste domingo (30), em seu perfil no Instagram, mensagens que trocou com o humorista durante o tempo em que ele ficou internado com Covid. Paulo Gustavo, que faria 44 anos hoje, não resistiu à doença.

"Tô sem fôlego / as cenas que você vê na globo sou eu / eu tô vivendo terror …" Enquanto o monstro dizia debochadamente que era uma gripezinha, desestimulava o isolamento que nos protegia e atrasava vacina. Na boa, ISSO NÃO É UM PRESIDENTE. Terminem com isso hoje! E você, meu amigo, que hoje faria aniversário, eu sinto muito que você tenha passado por momentos tão angustiantes antes de partir pra verdadeira vida. Logo você que trazia alívio, alegria, diversão pra esse plano. Te amo. Parabéns pela vida que teve! Parabéns por tudo que fez e que ainda reverbera aqui! Muita paz e amor pra você! ❤️", escreveu Fil.

Roteirista que acompanhou Paulo Gustavo durante toda a sua carreira, Braz já havia compartilhado parte da troca de mensagens no último 2 de outubro, dia do 1º turno das eleições. Foi uma forma, segundo ele, de se posicionar. "Ele disse que sobreviveria e que iríamos rir muito, mas que a batalha não estava ganha. Pediu que eu rezasse, pediu que eu enviasse a ele toda minha energia", escreveu Braz.

"O Brasil todo rezou. O Brasil todo mandou energia. Mas um brasileiro, aquele que então ocupava a cadeira da presidência da república, zombou dos que estavam com falta de ar, chamou de gripezinha, recusou vacinas, atrasou tudo. Politizou a pandemia. PG perdeu a batalha. Perdemos todos milhares de irmãos, de talentos".

Nas mensagens, Paulo Gustavo pede para o amigo rezar por ele e se mostra confiante na recuperação. "Não havia uma previsão clara sobre quando chegaria a vacina para os de 40 anos. PG já estava internado. Ele disse 'eu me fudi com a COVID. As cenas que você vê na Globo sou eu'. Ele disse que sobreviveria e que iríamos rir muito, mas que a batalha não estava ganha", lembrou Braz.