Amoêdo é suspenso pelo Novo após declarar voto em Lula no 2º turno

***ARQUIVO*** São Paulo, SP, Brasil, 22-05-2019: Retrato de João Amoêdo, candidato à presidência em 2018 pelo Partido Novo. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO*** São Paulo, SP, Brasil, 22-05-2019: Retrato de João Amoêdo, candidato à presidência em 2018 pelo Partido Novo. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Novo suspendeu a filiação de João Amôedo, um dos fundadores da legenda, após o empresário declarar voto em Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno das eleições.

Segundo nota divulgada pelo partido nesta quinta-feira (27), Amôedo ficará suspenso até o fim do processo disciplinar na comissão de ética do Novo. A sigla afirma que respeitará as regras estatutárias e o direito de defesa.

Pelo Twitter, o empresário disse ter recebido a notícia com surpresa e indignação. Segundo ele, 3 dos 4 membros que votaram por sua suspensão entraram na comissão nas duas últimas semanas, e o movimento tem como objetivo constranger outros filiados a não declararem seus votos.

"Todos os mandatários que assinaram o pedido de suspensão e a expulsão declararam voto em Bolsonaro no segundo turno, e um deles é coordenador estadual de campanha do presidente", afirmou. "Apresentarei a minha defesa no Comitê de Ética do partido e tomarei as medidas jurídicas adequadas para garantir o meu direito, e de todos os filiados, de se manifestarem de acordo com a legislação brasileira e as regras internas do Novo."

O diretório nacional da sigla diz que tomou conhecimento da suspensão nesta quinta e que a comissão analisa denúncias feitas por filiados, independentemente da direção partidária.

No último dia 15, Amoêdo afirmou ao Painel S.A., do jornal Folha de S.Paulo, que votará em Lula, embora mantenha críticas ao candidato e ao PT.

"No dia 30, farei algo que nunca imaginei. Contra a reeleição de Jair Bolsonaro, pela primeira vez na vida, digitarei o 13. Apertar o botão "Confirma" será uma tarefa dificílima. Mas vou me lembrar do presidente que debochava das vítimas na pandemia, enquanto milhares de famílias choravam a perda de seus entes queridos", disse.

Em 2018, o empresário disputou a Presidência pela primeira vez e obteve 2,5% dos votos válidos no primeiro turno, terminando em quinto lugar. No segundo turno, declarou voto em Bolsonaro.

Em 2020, Amoêdo deixou a presidência do Novo, cargo que exercia desde que a legenda obteve o registro partidário, em 2015.

Após a declaração de voto em Lula, o partido afirmou em nota que a decisão constrangia a instituição e era "lamentável e incoerente". Filiados fizeram um manifesto para pedir a desfiliação de Amoêdo.

Embora não tenha apoiado oficialmente nenhum dos dois candidatos no 2º turno, o partido não se manifestou sobre apoios a Bolsonaro vindos de outros políticos da sigla, como o governador reeleito de Minas Gerais, Romeu Zema, principal aposta do presidente no estado.

Em entrevista à coluna, o presidenciável do Novo nas eleições deste ano, Felipe D'Avila, afirmou que a reação contra o Amôedo também foi motivada pela falta de apoio do empresário a candidatos do Novo durante o pleito.

"Antes das eleições ele até incentivou pessoas a saírem do Novo e irem para outros partidos. Aí, a única manifestação pública que ele faz no processo eleitoral é endossar o Lula", disse.