Amor e Monstros: a sessão da tarde da Netflix indicada ao Oscar

Thiago Romariz
·2 minuto de leitura
"Amor e Monstros" está disponível na Netflix. Foto: Divulgação/Netflix
"Amor e Monstros" está disponível na Netflix. Foto: Divulgação/Netflix

A julgar pela capa e pelo nome, Amor e Monstros não se distancia de qualquer longa de fantasia e aventura catalogado na Netflix. O filme da Paramount comprado pela Netflix para distribuição internacional, porém, abraça o sentimento de sessão da tarde sem vergonha nenhuma - e adiciona ao espírito aventuresco do roteiro uma bela dose de efeitos visuais merecidamente indicados ao Oscar na categoria.

A história começa com um apocalipse causado por um cometa que transforma insetos em monstros gigantes. O evento faz com que humanos vivam em bunkers e respirem somente pela sobrevivência em um mundo engolido pela natureza. Neste cenário, o jovem Joel morre de medo dos monstros e de amores por Amee, antiga namorada que vive em uma colônia a sete dias de distância. E é claro que num espasmo de coragem ele decide encontrar a amada.

Leia também:

A jornada de Joel é daquelas simples e cativantes, sem pretensão de ser mais do que é e mais efetiva do que qualquer discurso de descobrimento e consciência comum em tantos blockbusters. O talento de Dylan O'Brien, bem na ação, na comédia e no romance, carrega bem o espectador por um mundo que encanta pelos cenários e pelo tom aventuresco.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

 A mistura de terror, suspense e encantamento lembra as fantasias oitentistas como História Sem Fim, A Lenda, não só pelas criaturas e sentimentos, mas principalmente pelos coadjuvantes carismáticos que habitam o percurso de Joel.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Amor e Monstros tem o clichê da aventura adolescente em cada quadro, mas por não se esconder desse sentimento e abraçá-lo com a maturidade correta se torna autêntico e divertido. O filme não tem cara de sucesso absurdo, nem carrega a aura de blockbuster, mas tem em si a leveza e o coração que muitas vezes estão em falta em filmes do gênero.

—————————————————————————

*Thiago Romariz é jornalista, professor, criador de conteúdo e atualmente head de conteúdo e PR do EBANX. Omelete, The Enemy, CCXP, RP1 Comunicação, Capitare, RedeTV, ESPN Brasil e Correio Braziliense são algumas das empresas no currículo. Em 2019, foi eleito pelo LinkedIn como um dos profissionais de destaque no Brasil no prêmio Top Voice.