Ampliação das restrições à Covid-19 na China provoca reação pública

Residentes de Pequim aguardam na fila para serem testados contra a Covid-19

Por Martin Quin Pollard e Liz Lee

PEQUIM (Reuters) - A frustração era grande nesta sexta-feira entre residentes e grupos empresariais na China, após o anúncio de restrições de controle mais rígidas contra a Covid-19, já que o país registrou outro recorde de infecções diárias apenas algumas semanas depois de aumentarem as expectativas de medidas de afrouxamento.

O ressurgimento de casos de Covid-19 na China, com 32.695 novas infecções locais registradas na quinta-feira, enquanto várias cidades relatam surtos, provocou lockdowns generalizados e outras restrições de movimento e negócios.

A resposta da China à Covid-19 está impactando cada vez mais a segunda maior economia do mundo e, nesta sexta-feira, o banco central chinês anunciou uma medida de apoio amplamente antecipado, reduzindo o volume de dinheiro que os bancos devem manter como reservas. Isso libera 500 bilhões de iuanes (69,8 bilhões de dólares) em liquidez de longo prazo.

A Câmara de Comércio Francesa na China insistiu às autoridades para que implementem adequadamente as medidas de "otimização" da Covid-19 anunciadas há duas semanas, em um comunicado amplamente compartilhado nas redes sociais depois que a embaixada francesa o publicou em sua conta Weibo na quinta-feira.

As 20 medidas, que incluem quarentenas mais curtas e outras medidas mais direcionadas, "deram esperança" às empresas francesas de mais intercâmbios comerciais e econômicos bilaterais, mas "boas políticas também precisam ser implementadas de maneira uniforme e sem adicionar camadas de outras contradições políticas", disse o comunicado da câmara.

A China defende a política de Covid-zero do presidente Xi Jinping como necessária para evitar a sobrecarga do sistema de saúde.

Muitos analistas esperam um alívio significativo das restrições ao coronavírus apenas a partir de março ou abril, no mínimo, com alguns especialistas alertando que a China deve aumentar significativamente as vacinações e mudar sua comunicação em um país onde o medo da Covid-19 é alto.

Na maior fábrica de iPhone do mundo na cidade de Zhengzhou, mais de 20.000 novos trabalhadores deixaram o local após a agitação de trabalhadores relacionada à Covid-19 nesta semana, colocando em risco ainda mais a produção na fábrica da Foxconn, fornecedora da Apple, informou a Reuters.

Embora o surto de abril tenha se concentrado em Xangai, os grupos de casos desta vez são numerosos e mais espalhados.

A cidade de Guangzhou, no sul, e Chongqing, no sudoeste, registraram a maior parte dos casos, enquanto cidades como Chengdu, Jinan, Lanzhou, Xian e Wuhan registraram centenas de novas infecções diariamente. Pequim registrou 1.860 casos na quinta-feira.

(Reportagem de Martin Quin Pollard, redações de Xangai e Pequim; Reportagem adicional de Kevin Buckland em Tóquio)