ANÁLISE-Ataque do Estado Islâmico aponta Taliban como opção menos pior do Ocidente no Afeganistão

·2 minuto de leitura
Combatentes do Taliban tomam chá nos arredores do aeroporto de Cabul

Por John Chalmers e Sabine Siebold

(Reuters) - O ataque fatal no aeroporto de Cabul sublinha a verdadeira situação enfrentada por potências ocidentais no Afeganistão: trabalhar com o Taliban pode ser a melhor chance de evitar que o país se transforme novamente em um terreno fértil para a militância islâmica.

Quase duas semanas após a volta surpreendente do Taliban ao poder, autoridades da Europa estão começando a reconhecer que sua opção pragmática é deixar de lado o desgosto com os novos líderes do país e trabalhar com eles.

"Está claro: o Taliban é uma realidade no Afeganistão agora", disse a chanceler alemã, Angela Merkel, nesta semana. "Esta nova realidade é amarga, mas temos que trabalhar com ela".

Uma autoridade de alto escalão da União Europeia disse que não basta as potências do G7 assumirem ares de superioridade e adotarem uma postura agressiva diante do Taliban, até porque isto daria à China e à Rússia uma voz maior no futuro do país.

O funcionário disse que, nos últimos dias, Paquistão e Turquia pediram que as nações ocidentais "não encurralem o novo regime rápido demais", que suspendam a imposição de sanções a Cabul e que mantenham os canais de debate abertos para evitar um colapso de segurança e imigração, que teria repercussões em todo o globo.

Mandar ajuda será uma parte importante desta assistência, dada a crise humanitária em um país assolado pelo conflito e pela seca, no qual 5,5 milhões de seus 40 milhões de habitantes são deslocados internos.

A UE disse nesta semana que aumentará seu auxílio aos afegãos ainda no país e àqueles em fuga de 50 milhões de euros para mais de 200 milhões.

Os Estados Unidos estão adotando medidas para permitir que o trabalho humanitário continue, mas não reduziram a pressão das sanções sobre o Taliban, que designa como uma organização terrorista.

Os EUA não parecem ter se rendido à visão de algumas capitais europeias de que o Taliban é a opção menos pior.

A retirada norte-americana desordenada do Afeganistão depois de 20 anos tentando levar estabilidade e democracia ao país é "um impulso enorme para o moral de radicais islâmicos de toda a parte", nas palavras de Ryan Crocker, ex-embaixador dos EUA no Afeganistão.

Os atentados de homens-bomba diante do aeroporto de Cabul na quinta-feira, reivindicados pelo Estado Islâmico, um inimigo tanto do Ocidente quanto do Taliban, foram um lembrete de que militantes extremistas podem fincar pé caso se permita que o país imploda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos