Análise: Botafogo perde para o Corinthians em jogo que resume 2020

O Globo
·2 minuto de leitura

Ainda que a derrota para o Corinthians, por 2 a 0, e os demais resultados da rodada não tenham aumentado a distância do Botafogo em relação à saída da zona de rebaixamento, a estagnação é, sim, um problema porque o tempo não para. O ano de 2020 terminou com o alvinegro na penúltima posição do Brasileirão e uma rodada a menos para tirar a diferença.

Depois da vitória de virada sobre o Coritiba, que animou o time e trouxe uma perspectiva otimista para o jogo contra o Corinthians, a derrota em casa recoloca o peso nos ombros. Em 10 dias, contra o Athletico-PR, virá mais uma missão na briga pela permanência na Série A.

Os números seguem assustando. Como o Goiás ganhou na rodada, o Botafogo agora é, sozinho, o time que menos venceu no Brasileirão: quatro jogos. Faltam 11 jogos para o fim do campeonato. Só que, nesse ritmo, a sentença do Bota será conhecida antes de 24 de fevereiro.

O jogo contra o Corinthians foi o último da gestão Nelson Mufarrej e resume o que foi a temporada, que terá o desfecho com o presidente eleito Durcesio Melo. A política de contratações em massa, muitas de qualidade duvidosa, cobram seu preço. Por mais que o valor desembolsado seja baixo.

A lateral-direita é um problema crônico ao longo do ano. O gol do Corinthians saiu em um espaço de indecisão entre Kelvin, que assistiu ao cabeceio de Cazares mais de perto, e Kanu. A defesa estava desarrumada.

Eduardo Barroca, quinto técnico efetivo do Botafogo neste 2020 maluco, tentou uma proposta diferente ao escalar o lateral Victor Luís numa ponta e Warley na outra. Com menos de 10 segundos de bola rolando, uma jogada ensaiada quase resultou em gol. O torcedor talvez tenha esfregado as mãos, na expectativa. Mas o conjunto da obra do Botafogo deu tão errado que o técnico abandonou a estratégia no intervalo, quando já perdia por 1 a 0.

Por mais que no banco houvesse muitas opções ofensivas,como Kalou, não há quem se sobressaia e pareça capaz de resolver os jogos. Pedro Raul, que brilhara contra o Coritiba, ficou muito isolado. E mesmo quando Matheus Babi entrou, as torres gêmeas do ataque não geraram o volume de jogo ofensivo que deles se espera.

O Corinthians fez um jogo sólido. Mais organizado, mais técnico, mesmo sem precisar ser tão brilhante. No minuto final, Mateus Vital sentenciou a vitória corintiana. Era tudo que o Botafogo não precisava.