Análise: Empate mostra que Vasco e Marcelo Cabo podem dar certo, mas ainda precisam se entender

Rafael Oliveira
·3 minuto de leitura

A estreia de Marcelo Cabo e a entrada de alguns jogadores do time principal não foram suficientes para o Vasco chegar à primeira vitória no Carioca. Apesar de um início de jogo animador, os cruz-maltinos ficaram num 2 a 2 frustrante com o Nova Iguaçu em São Januário — tropeço que mostra que o time ainda precisa de mais entrosamento e compreender melhor as ideias de seu novo treinador.

Foram os primeiros gols e o primeiro ponto do Vasco na competição. O time é apenas o 10º colocado na tabela e agora terá um clássico contra o Botafogo, sábado, de novo em São Januário. Antes disso, na quinta, visita a Caldense-MG, pela Copa do Brasil.

Após uma semana de treinos com Cabo, já foi possível ver alguns sinais do estilo de jogo do novo treinador. Principalmente a aposta nos ataques em velocidade pelos lados do campo. No primeiro tempo, quando o Nova Iguaçu foi extremamente passivo, a estratégia deu certo. No entanto, quando o adversário encaixou a marcação e os contra-ataques, as limitações vascaínas ficaram expostas.

- Tivemos só sete treinos. Acho que foi normal esse nosso desespero, essa vontade de ganhar. Mas estamos no caminho. É trabalhar bastante - admitiu o volante Bruno Gomes.

O jogo

Foram duas atuações distintas em cada um dos tempos do jogo. No primeiro, os vascaínos exploraram muito bem os lados do campo. Mais pela esquerda, com Talles Magno e MT, do que pela direita, onde Cayo Tenório e Gabriel Pec tiveram mais dificuldade para se entender. O time de Marcelo Cabo chegou com tamanha facilidade na meta do Nova Iguaçu a ponto de ir para o intervalo com 11 finalizações.

O problema foram justamente as jogadas no terço final. O time pecou ou pelas escolhas de passe ou pelas finalizações erradas. Tanto que o gol de Gabriel Pec, aos 33, sai de um erro de Laranjeira. O atacante recebeu em boas condições na entrada da área, mas se adiantou demais e perdeu a bola. Sorte que ela sobrou para o meia concluir na saída do goleiro.

A vantagem no placar e a falta de agressividade do Nova Iguaçu relaxaram os vascaínos, que deram espaço para o adversário empatar num rápido contra-ataque apenas seis minutos depois do primeiro gol. Em cruzamento de Ian para Raphael Carioca, Ricardo Graça tentou cortar e acabou empurrando contra a própria meta.

O Vaco do segundo tempo demorou mais a encontrar os espaços do campo. Muito porque o Nova Iguaçu adiantou a marcação e prejudicou a saída cruz-maltina. Mas as mudanças de Cabo no meio e um pouco de sorte recolocaram os vascaínos na frente. Aos 15, Talles Magno errou o cruzamento, e a bola foi parar em Gabriel Pec. Em noite feliz, o meia mais uma vez foi eficiente na finalização.

Àquela altura, contudo, o Nova Iguaçiu já tinha encaixado seu jogo. E não estava disposto a desistir. De novo seis minutos depois de sofrer um gol, o time da Baixada reagiu. Numa finalização muito feliz de fora da área, Raphael Carioca acertou o ângulo da meta de Lucão.

Já na base do abafa, o Vasco quase chegou ao gol da vitória nos minutos finais, quando Juninho ficou frente a frente com Luis henrique. Mas a grande defesa do goleiro garantiu o resultado que, apesar de frustrante para a torcida cruz-maltina, foi mais condizente com a partida.