Análise: intensidade até o fim mostra que jovens da Espanha querem e sabem como ir longe nesta Copa

Gavi tinha menos de seis anos quando a Espanha conquistou seu único título de Copa do Mundo. Nesta quarta-feira, o atacante do Barcelona, que completou 18 no último mês de agosto, marcou um dos gols da vitória dos espanhóis sobre a Costa Rica por 7 a 0, no Al Thumama, pela primeira rodada do Grupo D.

Simulador: você decide quem será campeão da Copa do Catar

Tabela da Copa: Datas, horários e grupos do Mundial do Catar

A jovem estrela do Barcelona — que se tornou o terceiro mais novo a marcar em Copas, atrás apenas de Pelé — tem 18 anos e quatro meses. Ferrán Torres, que marcou duas vezes, tem 22, dois anos mais velho que o atacante Nico Williams, que entrou no segundo tempo. Eles são três dos 20 estreantes em Mundiais que Luís Enrique levou ao Catar.

Para esse jovem time, estrear em uma Copa contra um adversário cambaleante, que não é nem sombra daquele grupo que chegou às quartas de final no Brasil, certamente ajudou. Mas creditar a goleada apenas à fragilidade do adversário é tirar os méritos de um time que manteve a intensidade mesmo com o placar definido desde os primeiros 30 minutos.

O triunfo mostrou uma seleção muito convicta sobre o que quer e, principalmente, como jogar para atingir seus objetivos. Foi uma superioridade tão absurda, que é como se tivesse entrado em campo sozinha: 17 chutes a gol, sendo oito diretamente contra a meta de Navas, mais de 1.043 passes trocados (contra 230 dos Ticos) e 82% de posse — a valorização de ter a bola, trocar passes e esperar a melhor hora de se arriscar são marcas da escola espanhola da última década vivíssimas nesse time de Luís Enrique.

Copa do Catar: Conheça 'segundo hino' de País de Gales, que embala torcida e seleção

Copa do Catar: Após sofrer racismo em derrota na Euro, Inglaterra vence com cinco gols de negros

Mas não são apenas os jovens que brilham nesse time. Sergio Busquets, remanescente do time campeão, foi muito aplaudido ao ser substituído. Azpilicueta também fez bom jogo.

Construindo a goleada

Depois de perder algumas chances, a Espanha abriu o placar com Dani Olmo, aos 10 minutos, ampliou com Asensio e chegou ao terceiro, de pênalti, aos 31 minutos, com Ferrán Torres. A Espanha poderia tirar o pé no segundo tempo, mas era tão superior no controle da partida que marcar gols parecia algo natural. Torres fez mais um, Gavi marcou um golaço de primeira, e Soler e Morata fecharam o placar no fim.

No sábado, a Espanha enfrenta a Alemanha, que perdeu para o Japão por 2 a 1, na outra partida do grupo.