Análise: Resultados de Itália e Inglaterra nas Eliminatórias reforçam equilíbrio entre seleções

·2 min de leitura

Portugal, de Cristiano Ronaldo, com uma das gerações mais talentosas do futebol do país, perdeu em casa para a Sérvia e terá de disputar a repescagem para ir à Copa do Mundo do Qatar. O recado mais profundo do resultado decepcionante para os lusitanos ficou mais evidente nesta segunda-feira: a Itália, atual campeã da Europa, em lua-de-mel com sua torcida, numa rota de reencontro com suas tradições, também fracassou na primeira tentativa de confirmar a vaga no próximo Mundial.

O que há em comum, no caso das duas seleções: ambas não fizeram campanhas necessariamente ruins, mas foram superadas por equipes que são consideradas de uma prateleira inferior no futebol mundial, Sérvia e Suíça. Nesta segunda-feira, bastava aos italianos vencerem a Irlanda do Norte em Belfast. Mas o jogo não saiu do 0 a 0. Já os suíços fizeram 3 a 0 na Bulgária e saltaram para o primeiro lugar do Grupo C.

Existe atualmente um equilíbrio grande entre seleções. Salvo a França, que reforçou a boa fase que alimenta desde a Copa da Rússia com o título da Liga das Nações e a classificação antecipada para a Copa do Mundo, o que prevalece é o jogo parelho. Mesmo entre os países mais fortes e aqueles considerados forças medianas.

Com a falta de treino para potencializar a reunião de talentos individuais em maior quantidade, essas equipes de peso acabam se nivelando com outras que têm jogadores mais operários, porém capazes de competir no mais alto nível explorando outras virtudes, que não simplesmente a técnica.

A Inglaterra, vice-campeã da Europa, não teve as mesmas dificuldades que os italianos. O que corrobora com a tese. Derrotados na final em casa, passaram sem sustos pelas Eliminatórias da Uefa. Nesta segunda-feira, goleou San Marino por 9 a 0, seis apenas no primeiro tempo. Os ingleses terminaram em primeiro e empurraram a Polônia para a repescagem.

Isso tudo ajuda a dizer para o torcedor preocupado com a seleção brasileira que, apesar da falta de jogos contra adversários europeus, a equipe pentacampeã, classificada para a Copa do Mundo com cinco rodadas de antecedência, merece algum crédito. Ser tão soberano nas Eliminatórias enfrentando rivais como Argentina, Uruguai e Colômbia não pode ser tão ruim, algo que mereça ser totalmente descartado nas análises. Afinal, tem gente grande na Europa penando para chegar ao Qatar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos