Análise: Vitória do Botafogo reforça um dos segredos de campanha que deve culminar com acesso à Série A

·2 min de leitura

O Botafogo que caminha a passos largos rumo a uma vaga na Série A do Brasileiro de 2022 tem algumas virtudes, muitas delas bem visíveis: é o time com o melhor ataque da competição, desempenho puxado por Rafael Navarro e a boa temporada do jogador. É também a equipe com a terceira melhor defesa, fruto de um sistema defensivo sólido montado por Enderson Moreira.

Outra característica positiva pode não ser tão facilmente notada, mas está lá: a montagem de um elenco equilibrado. Não quer dizer que seja um ótimo grupo. Tanto que a campanha, boa suficiente para levar ao acesso sem sustos, está longe de ser repleta de grandes atuações, de superioridade tal que às vezes faz com que um time da Série B seja colocado hipoteticamente na primeira divisão e se imagine em que posição ele estaria.

O alvinegro tem um elenco e um time de Série B, é inegável. O que fica evidente é a quantidade de opções à disposição do técnico Enderson Moreira. A vitória sobre o Confiança foi construída no cruzamento de Warley e na finalização certeira de Diego Gonçalves. Ambos saíram do banco de reservas.

O leque variado oferece ao treinador substituições com potencial para que o cenário de uma partida seja alterado. Não se cria uma dependência excessiva quanto a uma formação ou um jogador em particular.

Obviamente, o Botafogo possui jogadores-chave, sem os quais o time perde desempenho. Chay é um deles, tanto que o Botafogo não conseguiu criar contra o Confiança tanto quanto consegue com o jogador em campo. Mas a queda de rendimento não é tão grande a ponto de desmontar a equipe.

O elenco montado pela diretoria nem sobrecarrega as promessas provenientes das divisões de base e nem deposita esperanças demais nos jogadores acima dos 32 anos, cujo ápice físico e técnico muitas vezes já ficou no passado. E que, dependendo da situação, não alimenta as mesmas ambições de quando mais jovem. É um grupo maduro, de jogadores não tão jovens e que encaram no alvinegro boa oportunidade para fazer um trabalho de destaque em um clube de projeção nacional.

Dos 11 titulares contra o Confiança, apenas Carli, Hugo e Navarro não se enquadram nesse perfil de jogador que ou ainda tem tempo demais, ou tempo de menos na carreira. Talvez não pareça, mas o acerto na montagem do elenco operário pesa para o Botafogo estar próximo da Série A mais uma vez.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos