Ana Paula Almeida lança biografia em que fala da era das paquitas e lembra de namoro com Romário: ‘Levar para o resto da vida’

·3 minuto de leitura

Aos 42 anos, Ana Paula Almeida finalmente terminou a biografia que começou a escrever em 2017. “Pituxita Bonequinha, minha vida de paquita” ainda não tem editora, mas de 2021 não passa, garante a autora, que começou a trabalhar na TV aos 10 anos, ao lado de Xuxa. Um sonho de uma geração de meninas como ela.

.Em vários capítulos, Ana Paula conta sua trajetória, os momentos de alegria e também de tristeza e arrependimentos. Além do trabalho no “Xou da Xuxa”, ela revela outros momentos da vida, como por exemplo o namoro com Romário, ambos no auge da fama, com quem quase se casou: “Uma pessoa querida que vou levar para o tresto da vida”

O que pretende contar na sua biografia?

Ter minha história eternizada num livro sempre foi um sonho. Ele está lindo, elegante, bem escrito. Conta a história de uma menina que sonhava conhecer a Xuxa e ser paquita e conseguiu. Tem a minha história, curiosidades sobre o programa “Xou da Xuxa”, o dia a dia de gravações e os shows.

Pode adiantar algum trecho?

A produção do programa tinha uma enorme preocupação em deixar as crianças convidadas livres, como se estivessem em um parque de diversões, num clima descontraído e com pouca ou nenhuma edição, para transmitir a ideia de um programa ao vivo, enquanto Xuxa apresentava coreografias próprias e inéditas criadas pelo bailarino exclusivo Oswald Berry.

Na época de Paquita, vocês eram estrelas da TV ainda muito novas. Como foi crescer neste ambiente e depois, de certa forma, se despedir da parte glamourosa da profissão?

Crescer enquanto era uma paquita me ensinou muito. Tudo nos exigia muita disciplina e esforço. Conviver tão de perto com a Xuxa foi muito bom, tudo que eu sei devo a ela. Ela sempre me tratou como parte da família e eu sempre fui muito feliz ao lado dela. Ver tudo aquilo acabar não foi fácil, mas sabíamos que um dia iria acabar.

Você foi muito namoradeira ou Marlene Mattos não deixava?

Eu não era não! E mesmo que quisesse, Marlene não deixava. E também nem tínhamos tempo!

Aliás, mantevee contato com ela?

Muito pouco. Marlene seguiu com os projetos dela, e eu com os meus. Quase não nos falamos.

Como é sua relação com as paquitas hoje e como era antes? Rolava muita briga,ciúme?

Sempre foi muito boa. Não tínhamos problemas entre nós, mesmo porque Marlene não deixava! Ela exigia que nós nos déssemos bem. Nossos encontros, mesmo depois de deixarmos de ser paquitas, sempre são muito bons. Nos respeitamos e nos admiramos.

Você namorou Romário e quase casou com ele. Como foi essa relação, ambos no auge, nas capas de revista... Essa fama toda atrapalhou?

Ele sempre foi muito amigo da família, então um dia ele se aproximou e as coisas foram acontecendo. Foi meu primeiro namorado e amadureci muito ao lado dele. Ele sempre foi muito respeitador e um bom namorado. Uma pessoa querida que vou levar no coração para o resto da vida.

Se pudesse voltar atrás o que teria feito de diferente?

Teria pensado mais antes de tomar algumas decisões e não teria exposto minha vida pessoal.