Pesquisa com Lula à frente de Bolsonaro é chamada de desembarque

·4 minuto de leitura
A demonstrator, draped with an image of Brazil's former President Luiz Inacio Lula da Silva, takes a photo of the inflatable doll known as
Apoiadora do ex-presidente Lula participa de ato contra Bolsonaro em Brasília. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Se as eleições fossem hoje, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seria eleito para um terceiro mandato no primeiro turno com 49% dos votos.

É o que mostra uma pesquisa Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria), instituto fundado por Márcia Cavallari, ex-Ibope, divulgado pelo jornal O Estado de S.Paulo nesta sexta-feira 25.

Reabilitado por decisão do Supremo Tribunal Federal, que durante a semana jogou a última pá de cal em Sergio Moro, considerado suspeito e parcial nos julgamentos da Lava Jato, o petista agora desponta como favorito da corrida eleitoral em um momento em que ela não está mais tão distante assim.

A partir de agora, o relógio corre a seu favor.

Juntos, os possíveis adversários somam 42% dos votos válidos. Entre eles Jair Bolsonaro, com 23%.

Divulgada no mesmo dia em que um deputado de sua base promete implodir a República, seja lá o que isso significa, a pesquisa é antes um retrato do que um alerta apresentado ao candidato à reeleição.

A perda de musculatura do presidente é resultado direto da deterioração de seu governo, aprovado apenas por 24% dos entrevistados. Não é pouco, mas hoje seria insuficiente para reverter o ranço dos 49% que o consideram ruim ou péssimo.

Hoje, 66% dos eleitores desaprovam a forma como ele administra o país.

Essa desaprovação se reverte no índice mais preocupante para o Planalto em toda a pesquisa: o número de pessoas que dizem não votar no presidente de jeito nenhum (62%).

É praticamente o mesmo índice dos que querem votar em Lula (61%) em 2022. A rejeição ao petista vem caindo desde que as decisões de Moro, antes aliado e hoje desafeto do presidente, foram invalidadas.

Antes um fã declarado do ex-juiz de Curitiba, Bolsonaro já não tem nem Moro nem a estrutura da Lava Jato, desmontada pelo procurador-geral da República escolhido por ele fora da lista tríplice do MPF, para acusar o adversário. Um recuo significaria reabilitar o ex-ministro da Justiça que hoje o acusa de intervir na Polícia Federal em favor dos filhos suspeitos. Um verdadeiro nó.

Leia também:

Em vez disso, Bolsonaro prefere apostar no discurso de que é vítima do sistema. O sistema eleitoral, que pode referendar sua derrota em breve, o jurídico, que reabilita seus inimigos, o viral, que impede o país de voltar à normalidade pós-pandemia, e até o dos gigantes da tecnologia que freiam a sua máquina de produção de ódio e fake news.

A expectativa é que ele siga dobrando a aposta na radicalização. Por isso aposta no caos, uma justificativa para apertar os cintos com uma sonhada (por ele) intervenção capaz de interromper uma corrida em que larga em desvantagem. 

Na véspera da pesquisa, Bolsonaro virou notícia ao pedir a uma criança para tirar a máscara, item de proteção atacado diariamente pelo presidente que prefere estimular aglomerações, boicotar as medidas de isolamento e acusar a ineficácia das vacinas. 

Pois é justamente a compra acelerada de um lote suspeito de vacinas indianas que está no centro de uma grave suspeita de corrupção envolvendo o seu governo. Mais uma.

Na semana, foi Ricardo Salles quem precisou ser abandonado na estrada da boiada para não afundar o governo ainda mais nas investigações sobre supostas falcatruas no Ministério do Meio Ambiente.

Sem o discurso de combate implacável à corrupção, Bolsonaro começa a corrida até 2022 como um pit-bull banguela. A dentadura se perdeu ao longo de três anos.

O capitão tem apoio consolidado ainda em segmentos influentes, como os ligados a segurança e religiosos, além de investidores interessados no saldão de privatizações que Paulo Guedes tenta lançar como cenouras na testa dos compradores interessados. O governo promete também abrir a caixa de bondades turbinando o auxílio-emergencial e ampliando o Bolsa Família com outro nome.

Fará isso enquanto seus bombeiros oficiais correm para apagar o incêndio da compra suspeita das vacinas, alvo da CPI da Pandemia.

Nem todo mundo do governo, porém, tem razões para lamentar a pesquisa Ipec. Entre os aliados responsáveis por dar sobrevida ao governo em troca de cargos e nacos do orçamento paralelo possivelmente há quem enxergue no quadro desolador para o presidente uma oportunidade de negócios. 

A permanência no barco avariado ficou mais difícil. E mais cara.

Gente graúda que não acredita na conversão nem na viabilidade eleitoral de Bolsonaro e que, ao mesmo tempo, não está disposta a ver Lula atravessar a rampa tem na consolidação do quadro sucessório uma justificativa para medidas até ontem consideradas drásticas.

Diante da possibilidade de Bolsonaro afundar antes do primeiro turno, sem um candidato à direita viável para tirar votos do hoje concorrente favorito, não devem ser poucos os que topam encerrar mais cedo a passagem caótica de Bolsonaro & Família pelo Palácio do Planalto.

A solução Hamilton Mourão tiraria Bolsonaro da disputa e transformaria uma até aqui improvável terceira via em postulante anti-Lula com menos rejeição em 2022.

Hoje Bolsonaro tem mais desafetos e aliados abandonados na estrada do que amigos dispostos a se queimarem com ele.

A corrida para a sucessão está longe. Mas não tão longe que não possa ser encurtada.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos