"Analista de Diversidade"? Entenda profissão de Sarah Aline do BBB 23

Sarah Aline no
Sarah Aline no "BBB23". Foto: Divulgação/Globo

A profissão da integrante Sarah Aline, do BBB 23, tem rendido bons quotes após esse tuíte engraçadinho: "O que faz uma Analista de Diversidade? Ela vai nos lugares e vê se tem gay o suficiente?".

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

É a primeira vez que um cargo desse tipo aparece no reality show e logo em um edição acusada de ter "padrões" demais, já que - apesar do número de negros e/ou nordestinos, deixa de lado corpos gordos, Pessoas com Deficiência (PCD) e mais.

Acontece que Sarah, a pipoca de 25 anos, é psicóloga, mas enveredou para a área de "Análise de Diversidade e Inclusão", que nada mais é que uma posição que ajuda no desenvolvimento de carreira de mulheres, pretos, idosos, LGBTQIA+ e deficientes - de acordo com o próprio Gshow.

“Me sinto muito realizada trabalhando com diversidade nas organizações, me faz sentir viva, o trabalho precisa de um propósito para que me sinta bem. Consigo fazer com que pessoas possam pertencer a um ambiente organizacional. O meu trabalho possibilita oportunidades para que pessoas possam entrar, pertencer e crescer", disse a sister ao portal.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Alcançar espaços para possibilitar a chegada de outros"!

Já deu para perceber que Sarah tem bandeiras bem definidas, o que reflete em sua própria formação. A paulista, segundo seu LinkedIn, já "atuou no ambiente organizacional com projetos de institucionalização de uma cultura inclusiva a todas as diversidades, encontrando possibilidade de valorizar pessoas, ampliar as oportunidades, nortear o negócio e carregar a inovação de forma humanizada".

Ainda de acordo com a rede social, a BBB está há cinco anos trabalhando diretamente com gestão de projetos para inclusão da diversidade de forma responsável e estratégica nos ambientes organizacionais.

"Neste espaço valorizamos toda e qualquer forma de existência e resistência, caminho para que o mercado de trabalho entenda que pluralidade de vozes é expandir medidas e fazer o que é certo é responsabilidade coletiva", conta na sua apresentação da plataforma.

Bom, se Sarah fica nos lugares contando quantos gays tem, a gente não sabe. Mas, com certeza, a sister tem muita história interessante para compartilhar!