Analista prevê queda nas vendas da Apple para o ano de 2019

Rafael Rodrigues da Silva
Um dos analistas mais conceituados do mundo quando o assunto é Apple, Ming-Chi Kuo alterou suas previsões iniciais para o 2019 da empresa, indicando uma queda substancial no número de vendas que deverá ser a maior crise da companhia desde o lançamento do iPhone

Um dos “segredos” mais mal guardados da indústria de smartphones neste fim de ano é o de que as vendas do iPhone XR estão abaixo do esperado - fato que, apesar da Apple negar, é confirmado pelas diversas confirmações de empresas que fornecem componentes para o aparelho diminuindo as projeções de produção e lucro nas últimas semanas.

Como é de se esperar, esse problema de vendas abaixo do esperado também tem afetado o iPhone XS e XS Max. Afinal, se o modelo mais barato deste ano (XR) está enfrentando um mercado complicado, os mais caros da empresa também não teriam vida fácil.

Assim, não é bem uma surpresa quando Ming-Chi Kuo, um dos mais respeitados analistas de mercado da Apple no mundo, alterou sua previsão de vendas da empresa para o fim deste ano, diminuindo ainda mais números que já eram menores do que os de outros anos.

Se Kuo estiver correto, a Apple estará oficialmente entrando em uma crise que não será tão fácil de resolver. De acordo com as novas estimativas do analista, a Apple irá vender entre 38 e 42 milhões de unidades de iPhone no primeiro trimestre de 2019 (que será o segundo trimestre fiscal de 2019 para a empresa). Ainda que seja um número alto, ele mostra uma uma queda significativa na projeção de vendas da empresa, que no mesmo período em 2018 vendeu 50 milhões de unidades do aparelho. E o analista também não espera que a empresa vá se recuperar tão cedo, já que a previsão dele é de que a Apple venda entre 188 milhões e 194 milhões de iPhones durante todo o ano de 2019, o que é uma bela queda dos 210 milhões de unidades vendidas que a empresa deverá atingir em 2018.

Já sobre o IPhone XR, a revisão de Kuo desconsidera a previsão de 25 milhões de unidades do aparelho vendidas no primeiro trimestre de 2019 e modifica este número para apenas 15 milhões. Apesar dessa queda dos números em geral, a empresa ainda deverá passar longe de operar no vermelho devido ao aumento do preço médio de venda de todos os seus aparelhos, mas essa tendência de queda deverá ser o suficiente para deixar os investidores bastante preocupados.


Fonte: Canaltech