Analistas esperam que pragmatismo prevaleça na relação Brasil-China

Por Allison JACKSON
(Arquivo) O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo (e), e seu par chinês, Wang Yi (d)

O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, já deixou claro que não é exatamente um apaixonado por Pequim. Quando se reunir com seu equivalente chinês pela primeira vez, nesta quinta-feira (25), analistas esperam, porém, que o pragmatismo saia ganhando.

Crítico da China e admirador fervoroso do presidente americano, Donald Trump, Araújo deve adotar um tom mais conciliador quando se reunir com o ministro Wang Yi em Brasília, à margem de um encontro mais amplo com os demais colegas do Brics - Rússia, Índia e África do Sul.

Os dois lados querem fortalecer uma relação que, há poucos meses, parecia estar sob risco, após as eleições de Jair Bolsonaro, especialmente com o aprofundamento das tensões comerciais EUA-China.

O professor de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas Oliver Stuenkel explica que a ala do governo liderada pelo vice-presidente Hamilton Mourão conseguiu convencer setores mais radicais à direita, como o próprio Araújo, de que "há coisas demais em jogo" para o Brasil se afastar de seu maior parceiro comercial.

A China representou 27,8% das exportações brasileiras em 2018.

"As perspectivas econômicas do Brasil dependem de bons laços econômicos com a China", disse Stuenkel à AFP.

"Tenho confiança de que, paradoxalmente, as relações entre China e Brasil vão se aprofundar no governo Bolsonaro", completou.

A maior aproximação da China teve início durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, mas, durante a campanha eleitoral do ano passado, Bolsonaro acusou o país asiático de estar "comprando o Brasil".

Desde que assumiu a Presidência, Bolsonaro optou por se aproximar de países governados por líderes, com os quais tem maior alinhamento ideológico, como Estados Unidos e Israel, enquanto se afastou de países em desenvolvimento.

Mas a desaceleração econômica do país e a forte pressão dos setores do agronegócio e da mineração - que dependem da China para exportar soja e minério de ferro - transformaram essa relação.

"Tem uma retórica ideológica, mas, na prática, o pragmatismo prevalece", opinou Rubens Barbosa, ex-embaixador do Brasil em Washington. "Você não deve se ater ao que foi dito alguns meses atrás sobre política externa e meio ambiente. Mudou completamente", disse o diplomata à AFP.

Mourão teve de se esforçar para reparar os danos na relação com a potência asiática. Ele viajou para Pequim em maio, onde reforçou ao presidente Xi Jinping o interesse do Brasil nos investimentos chineses.

Neste mês, o vice-presidente disse que a companhia chinesa Huawei não enfrentaria restrições no Brasil, desafiando a pressão americana para cortar os laços com a empresa tecnológica - acusada de ser ligada ao governo e de espionagem.

"Há tensões no governo sobre como lidar com a China", detalhou Luis Fernandes, do BRICS Policy Center, da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio). Mas "tendo a achar que os interesses econômicos vão sobressair".

Embora Pequim tenha notado a retórica anti-China do novo governo, Julia Coym, da consultoria Control Risks, de Xangai, acredita que o país asiático não vai retaliar. "A China vai prestar muito mais atenção às ações do Bolsonaro agora que ele está na Presidência do que à retórica que ele adotou durante a campanha", afirmou a especialista.

- Atritos no Brics -

Após o encontro em Brasília, Araújo e Wang encontrarão seus colegas do Brics no Rio para uma reunião que antecede uma cúpula na capital federal, em novembro.

Espera-se que a situação da Venezuela esteja na pauta, mas, com as profundas divisões internas no clube das economias emergentes sobre esta questão, é improvável que seja feita uma declaração contundente acerca do tema.

O Brasil está entre os 50 países que reconheceram o opositor Juan Guaidó presidente interino. China e Rússia apoiam o governo de Nicolás Maduro.

"Isso pode começar a ser um elemento para aumentar os atritos entre os (membros do) Brics", opinou Carlos Gustavo Poggio, da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap).

Alguns analistas acreditam que a ligação de Brasil e China é a principal razão para o país continuar no Brics - embora a relevância do grupo tenha sido questionada nos últimos anos.

"Se o Brasil fosse sair abruptamente, acho que isso criaria uma crise desnecessária com Pequim", afirmou Brian Winter, editor-chefe da "Americas Quarterly".

"Eles querem manter uma relação comercial pragmática com a China", que vê no Brics uma boa forma de expandir sua influência na América Latina e na África, acrescentou.